SEJA UM SEGUIDOR DESTE BLOG

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

No Maranhão, Aécio só venceu em São Pedro dos Crentes

São Pedro dos Crentes é o único município no Maranhão que deu vitória a Aécio

Julia Affonso, do Estadão.

'Somos uma pequena cidade inteligente',
diz eleitor tucano da cidade que tem 4 mil habitantes. Aécio venceu por uma 
diferença de 5 votos

A vitória da presidente Dilma Rousseff (PT) só não foi total no Maranhão - Estado onde ela recebeu o maior porcentual de votação no País - porque ela perdeu em um município, por uma diferença de cinco votos: São Pedro dos Crentes. Aécio Neves (PSDB) teve 50,10% dos votos válidos, com o apoio de 1.256 dos eleitores, contra 49,90% da petista, com 1.251.

A cidade de 4 mil habitantes fica no sul do Estado, a cerca de 650 quilômetros da capital São Luís. O comerciante Urias Castro de Souza, de 54 anos, afirma ter votado em Aécio, por causa das notícias de corrupção relacionadas ao governo do PT.

"A gente vê as fraudes nos jornais. E em todos os setores. Hoje, nós somos uma pequena cidade de pessoas inteligentes", diz. O comerciante conta que quase não houve campanha de nenhum dos candidatos no município, que vive de agropecuária. A atual prefeita de São Pedro dos Crentes é Luíza Coutinho, do PSDB.

No Maranhão, Dilma teve 78,76% dos votos válidos, contra 21,24% de Aécio. A petista recebeu votos de 2.475.762 eleitores, enquanto o tucano levou 667.517.

Recorde. O município brasileiro que mais votou na presidente fica no lado oposto a São Pedro dos Crentes. Belágua, um município de cerca de 7 mil pessoas, no norte do Estado, deu o maior porcentual de votos à Dilma no País. Na cidade, a petista atingiu 93,93% dos votos válidos, contra 6,07% do tucano. O autônomo Raimundo Rodrigues de Souza, de 50 anos, ajudou a reeleger a presidente Dilma. Ele foi um dos 3.558 eleitores da petista na cidade maranhense.

"Sempre procurei ajudar o Lula e a Dilma. Apesar de eles nunca terem vindo aqui, ajudam demais", afirmou. "Ela dá prioridade ao pobre e à pessoa carente." Segundo ele, há muitos beneficiários do Bolsa Família na cidade, que vive da lavoura, da pesca. Ele afirma não receber o benefício. "O povo da Belágua colocou na cabeça que vai manter ela no poder para ajudar no combate à pobreza", explica.

O lado tucano da cidade, que deu 230 votos a Aécio, contou com o apoio do pedreiro José Raimundo da Silva Vale, de 30 anos. "Não sei se ele seria um presidente melhor que Dilma. Mas ela teve o apoio da família Sarney, e eu quero que eles saiam do poder.

Curiosamente, a atual prefeita de São Pedro dos Crentes é do PSDB,
eleita em coligação com o PT, ao qual pertence o vice-prefeito.
Vai entender... (foto: Portal São Pedro dos Crentes)

Detalhe: a cerimônia de posse da prefeita eleita foi realizada no templo da Assembleia de Deus da cidade.


Reprodução

Fonte: Estadão via O Contorno da Sombra

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Pesquisa mostra as heresias mais comuns nas igrejas modernas


Pesquisa mostra as heresias mais comuns nas igrejas modernas

Levantamento da Lifeway mostra que evangélicos não conhecem doutrinas básicas do cristianismo.

A mais recente pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisas LifeWay é intitulada “Americanos acreditam no céu, inferno e em algumas heresias”. Encomendada pela Ligonier Ministries e publicada na terça-feira (28), recebeu destaque em vários sites de conteúdo evangélico.

O material revela que muitos evangélicos americanos têm opiniões “heterodoxas” sobre a Trindade, a salvação, e outras doutrinas. Segundo os padrões dos conselhos mais importantes da Igreja primitiva, essas posturas seriam consideradas heréticas.

Os pesquisadores fizeram 43 perguntas sobre fé, abordando temas como pecado, salvação, Bíblia e vida após a morte. A pesquisa feita com 3 mil pessoas tem uma margem de erro de 1,8% e seu nível de confiança é de 95%.

As principais conclusões do estudo são que embora a imensa maioria – 90% dos evangélicos e 75% dos católicos – acredite que o céu é um lugar real, cerca de 19% dos evangélicos (67% dos católicos) acreditam que existem outros caminhos para chegar lá que não seja através da fé em Jesus.

Por outro lado, 55% dos evangélicos dizem que o inferno é um lugar real, contra 66% dos católicos. Na média, os americanos não parecem muito preocupados com o pecado ou em irem para o inferno depois de morrer. Dois terços (67%) dizem que a maioria das pessoas são basicamente boas, apesar de todos os seus pecados. Apenas 18% acredita que até mesmo pequenos pecados podem resultar em condenação eterna, enquanto pouco mais da metade (55%) dizem que Deus tem “um lado irado”.

A importância desse tipo de levantamento é a grande influência que a igreja americana tem sobre a maioria das igrejas do mundo ocidental. Segundo Stephen Nichols, diretor acadêmico da Ligonier, os dados mostram “um nível significativo de confusão teológica”. Muitos evangélicos não têm visões em harmonia com a Bíblia sobre Deus ou os seres humanos, especialmente em questões de salvação e do Espírito Santo, acrescentou.

Alguns pontos têm variação expressiva dependendo da tradição teológica a que a pessoa entrevistada pertence. Porém, em algumas questões os resultados surpreendem. Em alguns casos, o problema parece ser mais a falta de informação.

Menos da metade (48%) acredita que a Bíblia é a Palavra de Deus, sendo que 50% dos evangélicos e 49% dos católicos dizem que ela é “útil, mas não uma verdade literal”.

Perguntados sobre a natureza de Jesus, um terço (31%) disse que Deus, o Pai é mais divino do que Jesus, enquanto 9% não tinham certeza. Além disso, 27% dizem que Jesus foi a primeira criação de Deus, e outros 11% não tinham certeza.

No segundo e terceiro século, proeminentes teólogos e líderes da igreja debateram por muito tempo sobre a natureza. O concílio ecumênico da Igreja em Nicéia, no ano 325, e o concílio ecumênico de Constantinopla, em 381 declararam sua rejeição a qualquer ensinamento que defendia que Jesus não era um com o pai, da mesma substância. Logo, tratar Jesus como um ser criado e menor que Deus-Pai não é um ensinamento cristão, embora permaneça sendo ensinado por seitas como os mórmons e os Testemunhas de Jeová.

Na mesma época, concílios ecumêmicos também esclareceram que a Trindade era composta por Pai, Filho e Espírito Santo, sem diferença de essência ou hierarquia entre eles. Quando questionados sobre a pessoa do Espírito Santo, os evangélicos de 2014 revelam posturas ainda problemáticas. Mais da metade (58%) disse que o Espírito Santo é uma força, não uma pessoa. Enquando 7% disse não ter certeza. Sobre o Espírito Santo ser menos divino do que Deus Pai e Jesus, 18% concordaram e o mesmo percentual respondeu “não sei”. Já dois terços dos católicos (75%) responderam acreditar que o Espírito Santo é apenas uma “força divina”.

A natureza humana e a salvação são outras áreas que mostram confusão nas respostas. Dois em cada três evangélicos (71%) dizem que uma pessoa será salva se buscar a Deus primeiro, e depois Deus responde com sua graça. Uma percentagem semelhante (67%) disse que as pessoas têm a capacidade de se converter a Deus apenas por sua própria iniciativa. Ao mesmo tempo, mais da metade (56%) disse que as pessoas têm de contribuir para a sua própria salvação.

Essa parece ser a questão que ainda suscita mais debate. A tradição mais comum entre católicos romanos, ortodoxos e aguns ramos protestantes defende que os seres humanos cooperam com a graça de Deus na salvação. O ensinamento cristão histórico em todos os ramos é que qualquer ação por parte do homem será apenas uma resposta à obra do Espírito de Deus.

Ao serem perguntados sobre a igreja local, 52% acreditam que não há necessidade de pertenceram a uma igreja, pois buscar a Deus sozinho tem o mesmo valor que a adoração comunitária. Ao mesmo tempo, 56% disseram crer que o sermão do pastor não tem “qualquer autoridade” sobre eles. Quarenta e cinco por cento dos entrevistados acredita que tem o direito de interpretar as Escrituras como quiserem.

Teólogos comentam

A revista Christianity Today consultou teólogos sobre os resultados da pesquisa. Para Nichols, a Ligonier apenas está verificando o que muitos pastores já sabem: as pessoas não conhecem sua fé a fundo.

Timothy Larsen, professor do pensamento cristão no Wheaton College, afirma que isso só poderá ser revertido com mais discipulado bíblico. John Stackhouse, professor de teologia no Regent College, em Vancouver, é enfático: “Um sermão no domingo e um estudo bíblico simples durante a semana não é suficiente para informar e transformar a mente das pessoas para seguirem a teologia cristã ortodoxa.”

Ele acredita que é preciso mais empenho dos que pregam para deixar claro o que a Bíblia ensina sobre essas questões-chaves. Opinião parecida tem Beth Felker Jones, professora de Teologia no Wheaton College: “Os líderes da Igreja precisam ser capazes de ensinar a verdade da fé com clareza e precisão, e nós precisamos ser capazes de mostrar às pessoas por que isso é importante para as nossas vidas.”

Howard Snyder, ex-professor de em vários seminários conhecidos, enfatiza que a doutrina da Trindade não é um “conceito teológico abstrato, mas uma verdade cristã fundamental que nos informa sobre o Deus que adoramos, que somos como seres humanos, e toda a criação”.

Na análise do diretor da LifeWay, Ed Stetzer, o evangélico médio “gosta de acreditar em um tipo de Deus quase cristão, com doutrinas incompletas”.

Fonte: CPADNews

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

A diversidade religiosa das pessoas na expressão de sua religiosidade



Por Pr. Levi Costa

No meio religioso há uma diversidade de opções que visam atender às preferência religiosas das pessoas. Podemos dizer que a religiosidade é como uma grande colcha de retalhos com cores e tons variados ao gosto de cada individuo. Assim, na religiosidade, como no caso das cores, cada um tem o seu gosto e preferência por esta ou por aquela religião que melhor atenda a esses gostos e preferências.

Não estou dizendo com isso, que a religião em si mesma seja o suficiente e que por si mesma nos basta como expressão de mera religiosidade. A religião não pode ser a causa e razão de ser da pessoa. Estou apenas analisando o ser religioso como uma realidade social do indivíduo, uma realidade em seu ser, o ser religioso que somos.

Assim, quando discutimos a preferência pessoal religiosa de alguém, terminamos por levantar questões do ponto de vista bíblico/doutrinário e/ou teológico, levando, às vezes, a acaloradas e tensas discussões de caráter religioso, que, por sua vez, gera impasses e debates entre as partes.

É notório que quando as instituições religiosas não agradam nem satisfazem aos anseios das pessoas, então cria-se uma nova modalidade religiosa que, com o passar do tempo, vai agregando mais e mais pessoas que se identificam com essa nova opção de modalidade religiosa, foi o que ocasionou (e tem ocasionado), as várias dissidências religiosas ao longa da história do cristianismo.

Por exemplo, nem todo religioso é cristão, nem todo cristão é protestante, pode ser um católico romano ou da igreja ortodoxa grega (esta, uma dissidente católica), nem todo protestante (também dissidente católica) é pentecostal, nem o pentecostal é o mesmo que o neopentecostal. Assim, fica evidente a diversidade religiosa das pessoas na expressão de sua religiosidade. Pois o ser humano é, em seu ser, um ser religioso.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

11 razões para beber café todos os dias


Por Alana Romano

Não é possível que exista um adulto nesse mundo que nunca tenha experimentado o café.

Ele é consumido no mundo inteiro, e julgando pela quantidade de lojas da cafeteria Starbucks (somente nos Estados Unidos existiam 10.924 lojas em 2012!) é evidente que nós adoramos uma cafeína.

E não há nenhum problema com isso.

Na verdade, existem muitas vantagens em ser um dos 54 por cento dos americanos com mais de 18 anos que bebem café todos os dias.

O café pode fazer coisas incríveis pelo seu cérebro, pele e corpo.

Leia a seguir 11 razões pelas quais vale a pena acordar e sentir o gostinho do café…

Os americanos ingerem mais antioxidantes do café do que de outros alimentos.

De acordo com um estudo conduzido em 2005, quando se trata de antioxidantes, “nada se compara” à quantidade de antioxidantes encontradas no café.

Apesar das frutas e verduras também possuírem muitos antioxidantes, o corpo humano parece absorver a maior quantidade da substância quando ela vem do café.

O seu estresse pode diminuir só de sentir o cheiro do café.

Pesquisadores da universidade coreana Seoul National University examinaram os cérebros de ratos que sofriam de estresse causado pela falta de sono e descobriram que os ratos expostos ao aroma do café tiveram mais mudanças nas proteínas do cérebro relacionadas àquele estresse.

Vale ressaltar que essa pesquisa de aroma não está relacionada ao estresse por si só, somente ao estresse gerado pela falta de sono.

Agora, não sabemos ao certo se isso significa que você deve deixar um saquinho de grãos de café torrados no criado mudo toda noite, mas pode experimentar se quiser!

O café pode amenizar os sintomas do Mal de Parkinson.

O jornal Science Daily relatou em um artigo de 2012 que a ingestão de café pode ajudar as pessoas que sofrem com o mal de Parkinson a controlarem seus movimentos.

De acordo com o Dr. Ronald Postuma, MD, autor da pesquisa, “estudos mostram que as pessoas que ingerem cafeína têm uma probabilidade menor de desenvolver o Mal de Parkinson, mas é uma das primeiras pesquisas realizadas em seres humanos que mostra que a cafeína pode ajudar as pessoas que já sofrem com a doença a ter uma melhora nos movimentos”.

O café é ótimo para o seu fígado (especialmente se você bebe álcool).

Um estudo publicado em 2006, feito com 125.000 pessoas ao longo de 22 anos, mostrou que quem bebia pelo menos uma xícara de café por dia tinha 20% menos probabilidade de desenvolver cirrose hepática – uma doença auto-imune causada pelo consumo excessivo de álcool que pode resultar em falência hepática e câncer.

Arthur L Klatsky, autor encarregado do estudo, disse ao jornal The Guardian, “O consumo do café parece proteger o organismo da cirrose alcoólica; quanto mais café a pessoa consome, menor o risco de ser hospitalizada ou mesmo morrer de cirrose hepática”.

Estudos mostram também que o café pode ajudar a prevenir a NAFLD (Doença Esteatótica Não-Alcoólica do Fígado).

Uma equipe de pesquisadores internacionais, liderados pela faculdade de medicina Duke-NUS Graduate Medical School, revelou que beber quatro ou mais xícaras de café ou chá por dia pode ajudar a prevenir a progressão da NAFLD. 

O café pode causar uma sensação de felicidade.

Um estudo conduzido pelo National Institute of Health nos EUA mostrou que as pessoas que bebem quatro ou mais xícaras de café tinham probabilidade 10 por cento menor de sofrerem de depressão do que aquelas que nunca bebem café.

E isso aparentemente não se deve ao “êxtase da cafeína” – a Coca-Cola também pode causar esse êxtase, por conta da cafeína, mas tem a ver com a depressão.

O autor do estudo, Honglei Chen, MD, PhD, disse em entrevista ao site Prevention.com que a razão mais provável pela qual o café causa essa sensação de bem-estar é por conta dos bons e velhos antioxidantes.

O consumo do café já foi relacionado a níveis mais baixos de suicídio.

Uma pesquisa feita pela Harvard School of Public Health revelou que beber de dois a quatro xícaras de café pode reduzir em 50 por cento o risco de suicídio em homens e mulheres.

A pesquisa propõe que a razão seja a ação anti-depressiva do café auxiliando na produção de neurotransmissores como a serotonina, dopamina e noradrenalina.

O café pode ajudar a reduzir o risco do câncer de pele (para as mulheres).

O hospital de doenças femininas Brigham and Women’s Hospital e a faculdade de medicina Harvard Medical School acompanharam 112.897 homens e mulheres por um período de 20 anos e, aparentemente, mulheres que bebem três ou mais xícaras de café por dia têm probabilidade menor de desenvolver câncer de pele do que aquelas que não bebem café.

O café pode melhorar o seu desempenho como atleta.

Segundo uma reportagem do jornal New York Times, “Há muitos anos, cientistas e atletas já sabem que uma xícara de café antes do treino impulsiona o desempenho atlético, principalmente em esportes de resistência como corridas de longa distância e ciclismo”.

A cafeína aumenta a quantidade de ácidos graxos circulando na corrente sanguínea, permitindo que os músculos do atleta absorvam e queimem essas gorduras como combustível, guardando assim as pequenas reservas de carboidratos do corpo para um momento posterior do treino.

O café pode reduzir o seu risco de desenvolver o Diabetes Tipo 2.

O café pode também reduzir o risco de desenvolver o Diabetes Tipo 2, segundo uma pesquisa da organização The American Chemical Society.

Os pesquisadores descobriram que as pessoas que bebem quatro ou mais xícaras de café por dia podem reduzir suas chances de desenvolver o Diabetes Tipo 2 em 50 por cento. Além disso, o risco cai mais 7 por cento a cada xícara adicional ingerida.

Beber café pode manter o seu cérebro saudável por mais tempo.

Pesquisadores das universidades de Miami e do Sul da Flórida descobriram que pessoas acima de 65 anos com níveis mais elevados de cafeína no sangue desenvolviam o Mal de Alzheimer dois a quatro anos mais tarde do que as pessoas no níveis mais baixos de cafeína no sangue.

O Dr. Chuanhai Cao, neurocientista na USF e co-autor da pesquisa, disse que “não estamos afirmando que o consumo moderado de café irá proteger as pessoas totalmente do Mal de Alzheimer. No entanto, acreditamos fortemente que o consumo moderado de café pode reduzir consideravelmente o risco de desenvolver o Mal de Alzheimer ou pelo menos postergar o aparecimento dos sintomas”.

O café pode aumentar a sua inteligência.

Uma reportagem da CNN mostra que o café permite que o seu cérebro funcione de maneira muito mais eficiente e inteligente.
Você geralmente bebe café quando está com sono, certo? Bem, além do café lhe acordar ele pode também lhe deixar mais alerta.

O repórter da revista TIME, Michael Lemonick, disse que “quando você dorme pouco e ingere cafeína, praticamente qualquer coisa que você possa mensurar mostrará uma melhora: seu tempo de reação, atenção, raciocínio lógico – a maioria das funções complexas associadas à inteligência”.

Então, qual a moral da história? O café é a melhor coisa de todos os tempos. Não deixe de beber seu cafezinho.

Fonte: Blog Am

Estado Islâmico decreta que cristãos são seus maiores inimigos

Cristão morto crucificado pelos terroristas do Estado Islâmico
A revista eletrônica Dabiq, publicada pelo Estado Islâmico (EI) para recrutar combatentes de todo o mundo, chega à sua quarta edição. Publicada em vários idiomas, vem se mostrando uma ferramenta útil para atrair ao conflito mais de 12 mil voluntários muçulmanos, de 74 nacionalidades diferentes. Não por acaso, a última de suas 12 páginas traz uma convocação aos simpatizantes de sua causa no mundo todo, para atacar os ocidentais “onde quer que eles possam ser encontrados”.

Na capa, os terroristas afirmam que os ataques da coalizão liderada pelos Estados Unidos são uma “cruzada falida” e que os muçulmanos acabarão vencendo. A imagem é de a bandeira negra do Estado Islâmico “implantada” (via Photoshop) no Vaticano.

No artigo “O regresso da escravidão antes da hora”, além de confirmar a escravização de milhares de mulheres e crianças yazidis, justifica essa atitude em relação à minoria curda, afirmando: “foram divididos entre os combatentes do Estado Islâmico conforme a sharia”.

Ao falar sobre a sua “vitória final”, os jihadistas dão um alerta aos “romanos”, termo genérico usado por eles para denominar a Civilização Ocidental. Explicam que sabem que chegarão a uma trégua quando se defrontarem com um inimigo comum, mas que o Ocidente romperá o acordo, assassinando um muçulmano.

Esse fato iniciará uma batalha, quando surgirá o Messias Islâmico (mahdi), e conquistarão de vez Constantinopla e Roma.

Desde que anunciou a soberania de seu califado, conquistando territórios no Iraque e na Síria, resgatou o conceito de uma guerra religiosa nos moldes dos embates medievais entre muçulmanos e cristãos. Ao escolherem Roma como símbolo do cristianismo mundial, deixam claro que este é seu inimigo número um.

A reportagem principal fala sobre o conflito final, mas trás o alerta: “Se não chegarmos a esse tempo, então nossos filhos e netos irão alcançá-lo, e eles vão vender seus filhos como escravos no mercado de escravos.”

De acordo com algumas tradições islâmicas, o profeta islâmico Maomé previu a ocupação de Istambul, Jerusalém e Roma. A teologia muçulmana xiita afirma que grandes guerras devem ocorrer na Terra, durante as quais um terço da população mundial irá morrer em combate e outro terço por causa da fome e da violência.

Israel deve ser destruído para que então o 12 º imã, chamado de Mahdi, apareça para matar todos os infiéis, levantando a bandeira do Islã em todos os cantos do mundo. Essa narrativa ecoa o conflito narrado no Livro de Apocalipse, mostrando como Cristo derrotará o Anticristo e seus exércitos.

Desde seu surgimento (ainda com o nome de ISIS) o exército jihadista executou milhares de cristãos no Iraque e na Síria. Muitos deles foram crucificados ou decapitados. “Em todo o Oriente Médio, nos últimos 10 anos, em média 100 mil cristãos foram assassinados a cada ano. Ou seja, a cada cinco minutos um cristão é assassinado por causa de sua fé”.

Esse foi o argumento chocante apresentado pelo líder cristão Gabriel Nadaf ao Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, em setembro.

Estima-se que 12 milhões de cristãos viviam no Oriente Médio. A ascensão do Estado Islâmico nos últimos três anos gerou uma nova onda de perseguição contra a comunidade cristã em diferentes países, incluindo Egito, Iraque, Líbia, Irã e Síria. Também teve reflexos na África, onde grupos jiadistas também declararam seus califados e intensificaram os ataques contra cristãos.

Com informações WND/Gospel Prime

Parabéns, cristãos petistas!


Por Ciro Sanches Zibordi

O petismo obteve uma grande, extraordinária, vitória! Além de vencer as eleições presidenciais, consolidou a divisão Norte-Sul do povo brasileiro, colocando milhões de nordestinos contra o "povo do Sul". Os pobres do Nordeste agora batem no peito e zombam das "elites" de São Paulo. Mais que isso: o partido mais corrupto da História do Brasil, maquiavélico, parceiro de déspotas e terroristas, conseguiu o apoio de muitos evangélicos!

Vejo hoje cristãos nordestinos zombando dos cristãos de outros Estados ou dizendo que a sua vitória tem sabor de mel. Meu Deus, será que esse povo conhece mesmo a ideologia que o petismo defende? Ah, não me diga que esse partido mudou e que não é mais o mesmo, por favor! Na verdade, o petismo usa várias máscaras. Seus políticos são capazes de visitar templos evangélicos e citar versículos bíblicos para enganar os incautos! Mas a sua verdadeira face — uma das poucas coisas que ele tem de verdadeiro — é o marxismo-leninista.

Não nos enganemos. Lula, o Grande, a despeito de ter se tornado o "Lulinha paz e amor" para se eleger, nunca deixou de ser marxista-leninista. O petismo jamais abandonou a sua ideologia antissemita, antiamericanista, anticristã, gramscista e maquiaveliana. E, a cada nova eleição, esse partido vai consolidando seu projeto de poder. Por isso, o cristão que, verdadeiramente, sabe do que está acontecendo no Congresso e está inteirado dos decretos presidenciais, não se deixa enganar com os "avanços sociais" e a maquiagem da pobreza.

Temos dois tipos de arma à nossa disposição. Como cidadãos, temos o voto; como cristãos, as armas da nossa milícia, que não são carnais (2 Co 10.4). Estejamos preparados. O petismo virá com força contra as igrejas evangélicas. E, já que não nos unimos para votar contra esse partido, unamo-nos em oração pela igreja brasileira. Vamos precisar orar muito! Mas uma coisa é certa, apesar de tudo: mesmo quando fazemos escolhas erradas, Deus continua no controle de todas as coisas e sempre fará a sua Igreja (agora, com inicial maiúscula) triunfar em Cristo (2 Co 2.14). ‪#‎ProntoFalei‬, quer gostem, quer não gostem.

Fonte: Blog do Ciro 

Reflexões esparsas pós resultados eleitorais


Por Mauro Meister

Não sou profeta, nem filho de profeta, assim, não tomem qualquer palavra abaixo como o certo para o futuro, mas apenas percepções. Pelo tamanho, poucos lerão.

1. Sim, somos uma democracia, ainda que nova e imatura. O pleito eleitoral, com todas as mazelas e jogos sujos, às vezes dos candidatos, muitas vezes dos partidários, aconteceu, mas foi bem sucedido.

2. Houve fraude? Como dizer? Resta aguardar que denúncias sérias, se levantadas, sejam investigadas pelos instrumentos do Estado, que deveriam ser independentes do governo. Sair gritando que houve fraude não resolve nada.

3. Corremos perigos? Sim! Imediatos? Nem tanto, mas, ainda assim, crescentes e rápidos. Minha percepção, por conta da ideologia e ações recentes, é que o partido no governo não preza a democracia. Sua origem de luta contra a ditadura de direita não o coloca na categoria democrática. Seus ideólogos gramicianios tem sido bem sucedidos, a despeito de seus líderes populares terem se embebedado com a glória do poder e suas riquezas. Digite "gramiscismo" no Google e leia, pesquise e tire suas conclusões.

4. Para que o projeto acima de certo, é necessário um aparelhamento do Estado e, ao mesmo tempo, uma aparência de legitimidade democrática associada a conceitos de hegemonia de pensamento. Os mesmos que são acusados de ser "contra o partido" (ex: Globo) são aqueles que promovem as causas dessa consolidação de pensamento: insistência no governo para as supostas minorias (negros, gays, mulheres como oprimidas, os sem terra) causa aborcionistas, desarmamento, etc. (vejam as ênfases no discurso da vitória da presidente). Tudo isso serve como uma quebra dos chamados valores tradicionais (mantidos pelas "elites") e o surgimento de uma nova hegemonia de pensamento (quem foi o representante da juventude?).

5. Passam por este projeto alguns elementos essências, entre eles, a reforma política e a educação (nada no discurso foi gratuito). Sim, o Brasil precisa de uma reforma política, mas se houver força do governo para que aconteça, será nefasta e aparelhará ainda mais o governo. No totalitarismo o governo nunca sai do poder, seja seja em Cuba, seja na Bolívia.

6. A educação brasileira já está totalmente aparelhada, mas os que estão dentro, muitas vezes não percebem. Quanto mais ignorantes (aqueles que ignoram), melhor! Não há real interesse em que exista pensamento autônomo, no sentido do indivíduo que pensa por si mesmo (ainda que este seja o discurso da educação há décadas) mas no indivíduo que aja com a massa, como uma torcida, liderada pelos Conselhos Populares. Enquanto os cristãos deveriam lutar por uma educação heteronormativa (no caso, segundo a norma de Deus) as políticas governamentais tem sido sistematicamente opostas. Nossos filhos vão para a escola e voltam para casa achando que todos os tópicos citados acima são o certo e o verdadeiro, o contrário do que seus pais caretas e suas igrejas ensinam.

7. Entre tais ensinamentos existe a famosa doutrinação contra o famigerado capital, o livre comércio, a iniciativa privada, a privatização e todos os temas pertinentes. É daí que surge o socialista rico que maquina a revolução social de seu studio em Paris, bebendo champanhe. É assim que a presidente diz com cara lavada a uma economista desempregada que faça um curso para se colocar em um mercado com cada vez menos empregos reais (quem já desistiu de procurar emprego ou quem ganha bolsa x ou y não conta nas estatísticas, por isto, anda tão baixa).

8. O que fazer, como cristão que sou? a) devo orar pela paz e pelo governo, não só em tempo de eleições, mas em todo tempo; b) devo estar alerta, não só em tempo de eleições, mas entre elas, quando as coisas de fato acontecem - leia, informe-se, fale, pressione e vote certo nas próximas eleições; c) lute contra as pequenas corrupções para que tenha como perceber e lutar contra as grandes - pequenas corrupções admitidas em nossas vidas nos cegam para a grande corrupção ao nosso redor; d) ore para que a nossa jovem democracia e suas instituições resistam às pressões e leis que serão empurradas goela abaixo nos próximos 4 anos; e) lembre-se, a esperança do cristão está em Cristo e não no estado e no governo, porém, cabe-nos agir sempre em função da verdade e da paz, denunciando a corrupção e os sistemas que a alimentam.

Fonte: O Tempora, O Mores 

domingo, 26 de outubro de 2014

Ameaçado de morte, Aécio Neves pede proteção à Policia Federal


O candidato Aécio Neves está em São João Del Rey com a sua família e visitou túmulo do avô Tancredo Neves.

O candidato do PSDB, Aécio Neves, denunciou a Polícia Federal, neste sábado, que ele e sua família estão sendo alvo de ameaças de morte nas redes sociais. Em nota divulgada agora à noite, a coligação do candidato informou que, durante a tarde, após confirmada a visita do senador a São João del Rei, pessoas do campo político contrário à sua candidatura presidencial passaram a divulgar as mensagens. Um dos autores que pregam “morte aos Neves”, segundo investigações preliminares, seria um professor da Universidade Federal de São João Del Rei.

Informa ainda que a Polícia Federal, que já se encontrava na cidade para investigar o uso da estrutura física da Universidade Federal de São João Del Rei para divulgar material calunioso contra o senador, irá apurar também essas ameaças, a pedido da assessoria jurídica da coligação, que pleiteia a apuração da relação entre os autores das ameaças e os interesses políticos defendidos.

Na primeira postagem em uma página no Facebook, um homem diz: “morte aos Neves”. Um outro internauta vai além: “É isso ai! Morte aos Neves e a tudo que representam”. Em seguida, ao saber que a Polícia Federal estava na cidade investigando o caso, um professor fez um alerta, em letras com caixa alta, pedindo que cessassem as agressões pois a PF estava na cidade.

“Querido, por favor, a situação é grave. Não poste nada de política, siglas, nomes de candidatos. Grave, gravíssimo, estado de alerta. Não poste nada, a tarde está pesada”. Outra pessoa escreve e tenta defender Aécio: “essa é a questão sim, pois também se trata de uma calúnia dizer que a federalização da UFSJ se deve unicamente a Aécio. E é uma atitude errônea usar isso como propaganda. E sim Alexandre, aproveitamos que a Polícia Federal esta´na cidade”. 

Do blog do Jornalista Políbio Braga

Por que quero ser presidente. Por Aécio Neves


Por Aécio Neves (*)

Chego ao final desta longa caminhada honrado pela livre vontade dos brasileiros de representar o sonho da mudança que move o país. Em cada pedaço de chão por onde caminhei, tive o privilégio de me encontrar com o Brasil de verdade e de ver transmudadas frustrações e desalento em indignação e novas esperanças, que alimentaram meu espírito e tornaram ainda mais vivas as nossas grandes causas. 

Obstinadamente, procuramos cumprir o nosso dever. Mergulhamos na realidade nacional e em problemas gigantescos, que se eternizaram pela incúria do atual ciclo de poder. Repete-se hoje o que já vimos: uma década perdida e sonhos de futuro adiados pelas circunstâncias ou pela conveniência. 

Ao final, a constatação é a de que há quase tudo a ser feito e resta intocada uma grandiosa dívida social para com os brasileiros que querem melhorar de vida. Um novo e definitivo salto de desenvolvimento acabou engolfado pela má gestão, pelo desapreço ao planejamento, pelo aparelhamento do Estado, nenhum compromisso com o resultado e um projeto de país. 

O nosso povo cobra uma nova e corajosa condução da economia nacional, capaz de reverter a posição do mais promissor entre os países emergentes, agora adernado na lanterna do crescimento, sem credibilidade e confiança, em plena recessão. 

A estabilidade duramente conquistada fraqueja, atingida pela inflação. A balança comercial no vermelho e a desindustrialização em curso destroem a nossa indústria e nos roubam os melhores empregos. 

Quase nenhum passo foi dado para resgatar da precariedade a nossa infraestrutura. Nesse campo, a paisagem é desoladora: obras pela metade, com orçamentos decuplicados, abandonadas pelo caminho. 

No campo social, crises desrespeitam os cidadãos que mais precisam: hospitais públicos afundados em insuficiências, repletos de doentes sem atendimento digno! Persistem as filas para consultas, exames, cirurgias e remédios. 

No campo da segurança, prevalece a omissão. O governismo abdicou da responsabilidade de coordenar uma efetiva política nacional e assiste, impassível, à tragédia de 56 mil assassinatos por ano, terceirizando responsabilidades a Estados e municípios endividados. Estamos perdendo uma geração inteira de jovens brasileiros, vítimas ou aliciados pelo crime. 

Dos gabinetes em Brasília anunciou-se o fim da miséria, atropelando a realidade de um país ainda desigual. Essas, entre outras, são realidades do Brasil que hoje define seu futuro. Contentaram-se com a gestão diária da pobreza para instrumentalizá-la, como fazem agora, chantageando os beneficiários dos programas sociais com o tradicional terrorismo petista. 

Para fazer a grande mudança que o país exige, será preciso mais do que propostas inovadoras e eficientes de boa governança. O primeiro passo é o resgate de princípios e valores cruciais --ética, transparência e planejamento público, qualidade dos gastos do Estado, do controle de resultados e tolerância zero com a corrupção. Acrescento ainda uma inédita audição da nossa sociedade, para tornar efetiva a participação dos cidadãos nos destinos do país. 

Uma nova agenda se impõe. 

No plano da gestão, é preciso acabar com o gigantismo e desperdícios de um governo com 39 ministérios e milhares de cargos de confiança, que servem a todos os interesses, menos ao interesse público. 

A prioridade é cuidar das grandes emergências em duas áreas capitais --saúde e segurança--, que não podem esperar. Delas depende a vida das pessoas. 

A retomada do crescimento demanda uma economia saudável e previsível, que não penaliza quem trabalha e produz, e um governo que guarda com zelo as políticas que estão sob sua responsabilidade. A primeira delas é gastar menos com o governo para poder investir mais na população. 

Simultaneamente, temos que construir uma agenda para o futuro, que depende de uma nova escola e de um salto na qualidade da educação pública. Sem educação transformadora, nenhum sonho de desenvolvimento se tornará real e possível. 

(*)Artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo deste domingo.

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

O Estado é laico, mas não é laicista, nem evangélico, é de todos, é do povo brasileiro!


Por Pr. Levi Costa

Não tenha preguiça de ler, leia e entenda, obrigado!

Um dos grandes problemas no Oriente Médio hoje é a dominação a força do chamado estado islâmico. O termo estado islâmico refere-se aos Estados que adotaram o Islã, mais especificamente a Sharia ou "Lei de Deus", tal como os seus fundamentos ideológicos para a sua instituição política. A real intenção dos radicais islâmicos é querer subjugar as demais nações ao seu governo e regime "teocrático".

Com isso, fico a pensar em ''NOSSO CASO POLÍTICO BRASILEIRO", ou seja, muitos evangélicos sonham com um presidente "evangélico" no governo do Brasil, porquê? Para qual propósito? Fazer do país um tipo de "Estado Evangélico", que venha ignorar os que não o são, e até mesmo impor a "nossa doutrina" a todos, quer queiram, quer não?

Por outro lado, enquanto não temos tal presidente dentre os nossos, ficamos a fiscalizar, rotular e a criticar esse ou aquele candidato que não preenche os pré-requisitos da nossa "cartilha", ou seja, em caso contrário, não serve para nós, mas o que dizer então daqueles (a maioria), que não confessam o nosso credo? Eles cumprem com os seus deveres e obrigações para o país assim como nós, tendo também os mesmos direitos garantidos.

Um exemplo clássico é o dia 12 de outubro, feriado Nacional, dia da senhora aparecida, tida pelos católicos como padroeira do Brasil. Isso é questionado com veemente protesto pelos evangélicos em geral. Mas, por outro lado, queremos oficializado o dia da Bíblia, o dia do evangélico, etc. E se os espíritas quiserem oficializar, por exemplo, "o dia de Allan Kardec"? E se outro reivindicarem "o dia de Zumbi dos Palmares", feriado nacional? e aí?

Vamos protestar igualmente com a mesma veemência. Mas, não é isso que fazem os radicais em outros países? Lembremos que Jesus disse de seus discípulos ao Pai: "Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal. Não são do mundo, como eu do mundo não sou." (Jo 17.15,16). Também disse dele "...O meu reino não é deste mundo" (Jo 18.36a).

Portanto, o Estado é laico, mas não é laicista, nem evangélico, é de todos. O Brasil é uma Nação de grande miscigenação europeia, africana, indígenas, etc. Quem governa, governa para todos e não para um segmento específico, seja ele qual for. É ele o "governo do povo, pelo povo e para o povo", O POVO BRASILEIRO!