quarta-feira, 1 de abril de 2009

Como nasceu a CGADB


(Clique na imagem para ampliar)

Obreiros brasileiros foram os idealizadores do primeiro conclave

Missionários suecos e obreiros brasileiros presentes à primeira edição da Convenção Geral em frente ao templo-central da AD em NatalA história da Convenção Geral começa em 1929. Os primeiros passos para a reali­zação da primeira Convenção foram dados um ano antes de sua realização, e a iniciativa partiu dos obreiros nacionais.
Foram os pastores brasileiros das regiões Norte e Nordeste os idealizadores da primeira Convenção Geral das Assem­bléias de Deus no Brasil.
Até 1930, eram os missio­nários suecos que lideravam ou supervisionavam todas as Assembléias de Deus no país. O líder natural dos missioná­rios era o pastor Gunnar Vin­gren, que desde 1924 lidera­va a Assembléia de Deus no Rio de Janeiro, então capital do Brasil. Na sua ausência, Samuel Nystrom, que estava em Belém do Pará, exercia a liderança nacional. Antes da Convenção de 1930, só os missionários se reuniam para decidir o andamento do Mo­vimento Pentecostal. Os pas­tores brasileiros eram apenas comunicados das resoluções e as implementavam.
Em 1926, Gunnar Vingren realizou na AD do Rio de Janeiro, de 17 a 25 de ju­ lho, a primeira Conferência Pentecostal no Brasil. Esta teria sido a primeira Convenção das Assembléias de Deus no país, mas, com razão, não é reconhecida como tal, justamente por não ter contado com a participação dos obrei­ ros nacionais. Participaram desse encontro, além do próprio Vingren, os missionários Gustavo Nordlund (RN), Otto Nelson (AL), Joel Carlson (PE), Nels J. Nelson e Sa­muel Nystrom (PA), Gunnar Svenson (Argentina) e o pas­tor A. P. Franklin, da Suécia. Outras conferências do tipo foram realizadas, sendo a úl­ tima a de Recife, de 10 a 17 de outubro de 1929, na igreja dirigida pelo missionário Joel Carlson.
Foi um pouco antes da Conferência Pentecostal em Recife que os obreiros nacionais se reuniram para amadu­recer uma idéia que crescia em seus corações.
Após 18 anos de Movimen­to Pentecostal no país, sen­tindo a necessidade de terem maior liberdade na condução dos trabalhos já estabelecidos nas regiões Norte e Nordeste, os obreiros nacionais se reu­niram de 17 a 18 de fevereiro de 1929, em Natal (RN), para tomarem uma decisão. Ao final da reunião, resolveram marcar um encontro, também em
Natal, mas desta vez reu­nindo todos os missionários suecos e os pastores nacionais para expor o desejo de ganharem autonomia. Os pastores presentes a esse encontro preliminar foram Cícero Canuto de Lima, Francisco Gonzaga da Silva, Antônio Lopes, Ur­ sulino Costa,
José Amador, Napoleão de Oliveira Lima, José Barbosa, Francisco César, Natanael Figueiredo e Pedro Costa.
É importante dizer que, até onde consta nos registros da história das Assembléias de Deus no Brasil, não havia ne­nhuma intenção dos obreiros nacionais em dividir o Movimento Pentecostal. Eles desejavam apenas mais autonomia e instaram para que não fossem mal compreendidos e para que a obra no Brasil continuasse unida. Na verdade, como veremos, era Deus preparando os líderes nacionais e os missionários suecos para uma nova fase de expansão da mensagem pentecostal no país, já que o Sul e o Sudeste ainda estavam carentes da atu­ação missionária.
Aliás, a própria decisão dos obreiros nacionais de convocar pela primeira vez uma convenção nacional que reu­nisse os líderes brasileiros e os missionários suecos mostra o interesse em integrar, e não em dividir. Quanto ao clima da Convenção de 1930, segundo registros da época, foi o melhor possível, marcado sobre­ tudo pelo quebrantamento.
A primeira Convenção Geral aconteceu de 5 a 10 de setembro e reuniu a maioria dos pastores nacionais e to­ dos os missionários suecos. Na primeira edição do jornal Mensageiro
da Paz, de 1 de dezembro de 1930, o pastor Francisco Gonzaga, então lí­der da igreja em Natal, descreve como foi o c1ima espiritual que se instalou às vésperas:
"Já há muito que as igrejas oravam constantemente para o Senhor abençoar essa Convenção. Os obreiros que chegaram a Natal com antecedência ocuparam os dias que a precederam lutando em oração com o Senhor, a fim de que o espírito de união fosse completo, isto é, que fosse o Senhor, e não os homens, que decidissem todas as coisas. Glória a Jesus, que sempre nos ouve, quando humilde­ mente e com sinceridade a Ele clamamos."
"Graças a Deus que os co­ rações ali estavam preparados pelo Senhor. Pudemos ver que todos se achavam humildes como crianças, desejosos de saber a vontade do Senhor e de se deixarem ser guiados pelo Espírito Santo. Vimos a graça de Deus derramada nos corações."
Em seguida, pastor Francis­ co começa a narrar o ambien­te das reuniões convencionais e fala da importância que foi para a Convenção contar com a presença do pastor Lewi Pethrus, líder da Igreja Filadélfia, na Suécia, que enviou os missionários suecos ao Brasil após a chegada dos pionei­ros Gunnar Vingren e Daniel Berg em 1910:
"Todos os assuntos foram discutidos com inteira liberdade, tanto pelos trabalhadores brasileiros como pelos missio­nários, fazendo-se ouvir sem­pre o pastor Lewi Pethrus, da Suécia. Como sempre se dava liberdade ao Espírito Santo e em tudo se consultava a Palavra do Senhor, toda a Convenção correu maravilhosamente. Glória a Jesus! Aleluia!"
"Foram resolvidos, com a aprovação de todos, os pon­tos mais necessários, que pelo Espírito Santo nos deverão assegurar um trabalho sadio e próspero. O Senhor falou por meio de profecia, animando seus servos. Notava-se entre os presentes grande satisfação."
"Todas as noites, falavam vários irmãos, conforme o Es­pírito Santo os dirigia. O pas­tor Lewi Pethrus falou com intérprete todas as noites. As mensagens foram simples, mas acompanhadas da graça do Espírito Santo. Durante os dias de Convenção, entrega­ram-se a Jesus 29 pecadores, e os crentes ficaram animados e alegres. Glória a Jesus!"
"Que as bênçãos do Senhor possam correr como um no de águas vivas, chegando aos pontos mais remotos do vasto Brasil. Esse é o nosso dese­jo. Assim, oremos ao Senhor para que
mande trabalhadores para a Sua seara, pois o campo é grande, mas os obreiros são poucos. Que Deus abençoe o seu povo. Amém."
O Espírito Santo esteve em todos os momentos guiando os obreiros nacionais e os missionários suecos em todas as decisões. Aliás, todas as re­ soluções dessa primeira Con­venção refletem o espírito de unidade que a caracterizou.
A Mesa Diretora eleita na ocasião para presidir os trabalhos foi formada pelos pastores Cícero Canuto de Lima, então líder da AD em João Pessoa (PB), presidente; e Manoel Leão e Manoel Hi­gino de Souza, secretários. A pauta da primeira Convenção tinha quatro temas: o relatório do trabalho realizado pelos missionários; a nova direção do trabalho pentecostal do
Norte e Nordeste; a circula­ção dos jornais Boa Semente e O Som Alegre; e o trabalho feminino na igreja. Ao final, foi rejeitada a proposta de re­ conhecer mulheres como mi­nistros e aprovadas a mudança de direção das ADs no Norte e Nordeste para os obreiros nacionais (apesar de as igrejas em Belém e Pernambuco te­rem decidido permanecerem sendo lideradas por missioná­rios suecos), a ida dos missio­nários para o Sul e Sudeste, e a extinção dos jornais Boa Semente e O Som Alegre em favor da criação de um jornal que fosse o órgão oficial das ADs em todo o país - o Men­sageiro da Paz.
O Crescimento da Convenção Geral nos anos 90 e início do século 21
Década da Colheita, sede da CGADB, crescimento da CPAD, programa de televisão, Faecade, Conselho Político e primeiros passos da Rede AD Brasil.

As convenções que se seguiram nos anos 90 e início deste novo milênio marcam uma nova fase de crescimento da Assembléia de Deus no Brasil. Muito dessa nova gui­nada, inclusive, é claramente decorrente de medidas tomadas pela CGADB duran­ te esse período. Destaques nesse período são o Projeto Década da Colheita; a inauguração da sede da CGADB no Rio de Janeiro; o cresci­ mento da CPAD, tornando­ se a maior editora evangélica da América Latina; o sucesso do 2° Congresso Mundial da Assembléia de Deus, realiza­ do em São Paulo em 1997; a fundação da Faculdade das Assembléias de Deus (Faecad) no Rio; a criação do Conse­lho Político da CGADB, que ajudou a eleger dezenas de deputados federais e estadu­ais assembleianos em 2002; a criação do programa televisi­vo Movimento Pentecostal; e os primeiros passos da Rede AD Brasil de rádio.

O Palácio das Convenções do Anhembi recebeu a 30ª Convenção nos dias 7 a 11 de janeiro de 1990. Na ocasião, o pastor José Wellington Bezerra da Costa foi eleito presidente da CGADB. A principal decisão desse encontro foi a implementação do Projeto Década da Colheita, discutido na AGE de 1989. Tratava-se de um esforço evangelístico que envolveu praticamente toda a igreja no Brasil. Mesmo que o Censo de 1991 do IEGE não fosse preciso, a comparação com o resultado do Censo 2000 mostrou o quanto a AD cres­ceu nos últimos dez anos do século 20, e com certeza mui­ to disso se deve ao Projeto da Década.
Em 1997, Belo Horizonte hospedou a Convenção, com cerca de 2,3 mil ministros presentes. Na ocasião, foram acertados os preparativos do 2° Congresso Mundial das Assembléias de Deus, mar­cado para setembro daquele ano, e que se tornou uma das maiores reuniões evangélicas de todos os tempos no Brasil. Cerca de 1 milhão de pessoas lotaram o Campo de Marte, em São Paulo, no encerramento da festa, que contou com a presença de ministros de Estado e do presidente da República. Pela primeira vez, a mídia secular tomou co­nhecimento do peso da AD no país.
A 34ª Convenção Geral se deu em 1999, no Palácio das Convenções do Anhembi, em São Paulo, ocasião em que o pastor José Wellington Bezerra da Costa foi reeleito presidente da CGADB. Em 2001, o Ginásio Nilson Nel­son, em Brasília, recebeu a 35a Convenção Geral. Nela, o pastor José Wellington foi aclamado presidente. Esse encontro marca o início do projeto político da AD. Com a criação do Conselho Polí­tico da CGADB e o apoio das convenções regionais, dezenas de deputados federais e estaduais assembleianos foram eleitos no pleito de 2002.
A 36a Convenção Geral, realizada em janeiro de 2003, em Maceió, bateria o recorde em número de inscritos: mais de 3 mil. Os cultos foram transmitidos ao vivo pela Rede Boas Novas de Televisão e a Rádio Boas Novas, da AD em Recife. Os cultos realizados no Estádio Rei Pelé contaram com uma assistência noturna de 35 mil pessoas, sendo 28 mil só dentro do estádio.
Ainda em 2003, no mês de agosto, a Convenção se reuniu pela segunda vez em Assembléia Geral Extraordi­nária, na AD no Belenzinho (SP). O motivo do encontro foi a complementação da re­ forma do Estatuto Social da CGADB, com vistas às exigências do novo Código Civil brasileiro.
De 4 a 9 de abril de 2005, o Rio de Janeiro recebeu a 37" Convenção Geral, na comemoração do Jubileu de Diamante da CGADB. As sessões plenárias e os cultos foram realizados no Rio-centro, mas o encerramen­to se deu na noite do dia 9, no Sambódromo, para um público estimado de 50 mil pessoas.
Em 2007, no Palácio de Convenções do Anhembi, 9.370 ministros se fizeram presentes, batendo o recorde de inscritos que era, até en­ tão, da Convenção Geral em Maceió, em 2003. O pastor José Wellington foi reeleito presidente.
Em 2008, milhares de mi­nistros se reuniram em Porto Alegre, no espaço para con­venções da Pontifícia Univer­sidade Católica gaúcha, para a reforma do Estatuto e do Regimento Interno da CGA­ DB.
Este ano, a Convenção Geral do Espírito Santo já entra para a história como a maior de todas em número de inscritos, com o recorde de 16.736 ministros inscritos.


Todos os presidentes da CGADB
Líderes que marcaram a história da Convenção Geral da AD no Brasil


A CGADB já foi presidi­da por 24 líderes diferentes em seus 79 anos de existência. Algumas curiosidades: o líder mais vezes eleito presidente da CGADB foi o missionário Samuel Nystróm (9 vezes); as Convenções de 1931 e 1932 (no Rio de Janeiro e Recife) e de 1939, 1940, 1941 e 1943 (período em que a Convenção Geral passou a se chamar Semana Bíblica de Líderes das Assembléias de Deus no Brasil) ainda não foram ofi­cializadas pela CGADB nos seus registros; e de 1959 a 1979, a CGADB foi presidida nas sessões convencionais pela Mesa Diretora e nos interregnos con­vencionais pela Junta Executiva das Deliberações da CGADB.
Veja aqui todos os presidentes da Convenção Geral até hoje.











Há 79 anos a CGADB vem realizando assembléias convencionais

Relação dos anos das Assembléias Convencionais da CGADB, o local
onde foram realizadas e os respectivos presidentes:

Assembléias Gerais Realizadas

Convenções e seus Presidentes
Há 75 anos a CGADB vem realizando Assembléias Convencionais
Foi em 1930 que se realizou a primeira Assembléia Convencional. A Igreja hospedeira foi a Assembléia de Deus em Natal, RN. Os trabalhos foram presididos pelo pastor Cícero Canuto de Lima. Por falta de registros, pouco se sabe do que foi tratado naquela Assembléia. No entanto, sabe-se que naquela reunião ocorreu a fusão dos jornais “Boa semente” e “Som Alegre”, resultando daí o “Mensageiro da Paz”, que é o nosso atual órgão oficial.

Após esta reunião, a Assembléia só voltou a ser realizada em abril de 1933, no Rio de Janeiro. O presidente foi o Missionário Samuel Nystron e o secretário Emilio Conde.

A seguir estão relacionadas as datas das Assembléias Convencionais da CGADB, o local onde foram realizadas e os respectivos presidentes:

1ª. Assembléia Geral
Data: 05 a 10 de setembro de 1930
Local: Natal, RN
Presidente: Cícero Canuto de Lima

2ª. Assembléia Geral
Data: 09 a 16 de abril de 1933
Local: São Cristóvão, RJ
Presidente: Samuel Nyström
Secretário: Emílio Conde

3ª. Assembléia Geral
Data: 14 a 25 de fevereiro de 1934
Local: Recife, PE
Presidente: Otto Nelson

4ª. Assembléia Geral
Data: 07 a 15 de setembro de 1935
Local: João Pessoa, PB
Presidente: Otto Nelson
Vice-Presidente: Nils Kastberg
1º Secretário: Joel Carlson
2º Secretário: José Moraes

5ª. Assembléia Geral
Data: 03 a 17 de outubro de 1937
Local: Recife, PE

6ª. Assembléia Geral
Data: 05 a 11 de agosto de 1938
Local: Recife, PE
Presidente: Samuel Nyström
Vice-Presidente: José Bezerra da Silva
1º Secretário: José Menezes
2º Secretário: Virgil Smith

7ª. Assembléia Geral
Data: 21 a 28 de outubro de 1946
Local: Recife, PE
Presidente: Samuel Nyström
Vice-Presidente: Cícero Canuto de Lima
1º Secretário: José Menezes
2º Secretário: Herbert Gustav Nordlund
OBS.: Neste ano a CGADB surgiu como personalidade jurídica, com registro nº 148, livro A nº 01, em 28/10/46, publicado em Diário Oficial nº 272 de 28/11/46, parágrafo 15865

8ª. Assembléia Geral
Data: 06 a 11 de outubro de 1947
Local: São Paulo, SP
Presidente: Cícero Canuto de Lima
Vice-Presidente: Paulo Leivas Macalão
1º Secretário: Eugênio Martins Pires
2º Secretário: José Bezerra da Silva

9ª. Assembléia Geral
Data: 22 a 27 de novembro de 1948
Local: Natal, RN
Presidente: Samuel Nyström
Vice-Presidente: Francisco Pereira do Nascimento
1º Secretário: Herbert Gustav Nordlund
2º Secretário: José Menezes

10ª. Assembléia Geral
Data: 07 a 12 de novembro de 1949
Local: São Cristóvão, RJ
Presidente: Nels Julius Nelson
Vice-Presidente: Bruno Skolimowski
1º Secretário: Eugênio Martins Pires
2º Secretário: Alfredo Reikdal

11ª. Assembléia Geral
Data: 22 a 26 de outubro de 1951
Local: Porto Alegre, RS
Presidente: Herbert Gustavo Nordlund
Vice-Presidente: Francisco Pereira do Nascimento
1º Secretário: Eugênio Martins Pires
Presidente de Honra: Ley Pethrus

12ª. Assembléia Geral
Data: 15 a 19 de junho de 1953
Local: Santos, SP
Presidente: Francisco Pereira do Nascimento
Vice-Presidente: Francisco Miranda
1º Secretário: Alcebíades Pereira Vasconcelos
2º Secretário: Waldomiro Martins Ferreira

13ª. Assembléia Geral
Data: 17 a 22 de outubro de 1955
Local: Belém, PA
Presidente: Francisco Pereira do Nascimento
Vice-Presidente: Paulo Leivas Macalão
1º Secretário: Alcebíades Pereira Vasconcelos
2º Secretário: Eugênio Martins Pires

14ª. Assembléia Geral
Data: 11 a 15 de novembro de 1957
Local: Belo Horizonte, MG
Presidente: Cícero Canuto de Lima
Vice-Presidente: Alcebíades Pereira Vasconcelos
1º Secretário: Eugênio Martins Pires
2º Secretário: Delfino Brunelli

15ª. Assembléia Geral
Data: 16 a 21 de novembro de 1959
Local: São Cristóvão, RJ
Presidente: Francisco Pereira do Nascimento
Vice-Presidente: Geraldo Sales
1º Secretário: Moysés Gonçalves Malafaia
2º Secretário: Antônio Petronilo dos Santos

16ª. Assembléia Geral
Data: 18 a 23 de novembro de 1962
Local: Recife, PE
Presidente: Antônio Petronilo dos Santos
Vice-Presidente: Antonieto Granjeiro Sobrinho
1º Secretário: Armando Chaves Cohen
2º Secretário: José Pimentel de Carvalho

17ª. Assembléia Geral
Data: 16 a 21 de novembro de 1964
Local: Curitiba, PR
Presidente: José Pimentel de Carvalho
Vice-Presidente: Paulo Leivas Macalão
1º Secretário: João Pereira de Andrade e Silva
2º Secretário: José Severino de Oliveira

18ª. Assembléia Geral
Data: 05 a 09 de dezembro de 1966
Local: Santo André, SP
Presidente: Túlio Barros Ferreira
Vice-Presidente: Paulo Leivas Macalão
1º Secretário: Elizeu Feitosa de Alencar
2º Secretário: Geziel Nunes Gomes

19ª. Assembléia Geral
Data: 25 a 29 de novembro de 1968
Local: Fortaleza, CE
Presidente: João Alves Corrêa
Vice-Presidente: José Pimentel de Carvalho
1º Secretário: Armando Chaves Cohen
2º Secretário: Luiz Bezerra da Costa

20ª. Assembléia Geral
Data: 18 a 23 de outubro de 1971
Local: Niterói (Fonseca), RJ
Presidente: Alípio da Silva
Vice-Presidente: Moysés Soares da Fonseca
1º Secretário: Elizeu Feitosa de Alencar
2º Secretário: Waldemar Cruz
JUNTA EXECUTIVA
Presidente: João Alves Corrêa
Vice-Presidente: Moysés Soares da Fonseca
1º Secretário: Geziel Nunes Gomes
2º Secretário: Elizeu Feitosa de Alencar
Tesoureiro: Alípio da Silva
CONSELHO ADMINISTRATIVO
João Soares Dorneles, José Pimentel de Carvalho, Anselmo Silvestre, Cícero Canuto de Lima, João Pereira de Andrade e Silva, Paulo Leivas Macalão, Túlio Barros Ferreira, Carlos Malafaia, José Amaro da Silva, Luiz Bezerra da Costa e José de Souza Reis
COMISSÃO DE CONTAS
José Antônio de Carvalho, Gilberto Gonçalves Malafaia, Elizeu Feitosa de Alencar, Joaquim Marcelino da Silva e Lupércio Vergniano

21ª. Assembléia Geral
Data: 21 a 28 de janeiro de 1973
Local: Natal, RJ
Presidente: João Batista da Silva
Vice-Presidente: Túlio Barros Ferreira
1º Secretário: Luiz Bezerra da Costa
Tesoureiro: José Apolônio da Silva
JUNTA EXECUTIVA
Presidente: José Pimentel de Carvalho
Vice-Presidente: Joaquim Marcelino da Silva
1º Secretário: Geziel Nunes Gomes
2º Secretário: Álvaro Motta
Tesoureiro: Alípio da Silva
CONSELHO ADMINISTRATIVO
José Rodrigues Muniz, Firmino da Anunciação Gouveia, Otoniel Alves de Alencar, Manoel Alves Ribeiro, Emiliano Ferreira da Costa, José Apolônio da Silva, João Batista da Silva, José Amaro da Silva, Túlio Barros Ferreira, Anselmo Silvestre, José Antonio de Carvalho, Paulo Leivas Macalão, Manoel Luiz Bezerra, José Leite de Lacerda, Neemias José Inácio, Hilário Pereira da Silva, Satiro Loureiro, João soares Dorneles e Anísio Francisco da Silva
CONSELHO FISCAL
Horácio da Silva Júnior, Nicodemos José Loureiro, Antônio Augusto Rocha, Antônio da Silva e Luiz Cesário da Silva

22ª. Assembléia Geral
Data: 20 a 23 de janeiro de 1975
Local: Santo André, SP
Presidente: Túlio Barros Ferreira
Vice-Presidente: Nicodemos José Loureiro
1º Secretário: Álvaro Motta
2º Secretário: Pedro de Souza Neves
Tesoureiro: Lupércio Vergniano
JUNTA EXECUTIVA
Presidente: José Pimentel de Carvalho
Vice-Presidente: Joaquim Marcelino da Silva
1º Secretário: Geziel Nunes Gomes
2º Secretário: Álvaro Motta
Tesoureiro: Alípio da Silva
CONSELHO ADMINISTRATIVO
Região Norte
José Rodrigues Muniz, Firmino da Anunciação Gouveia, Leonardo Severo da Luz, Manoel Antonio Batista, Suplente: Serafim Pires de Souza
Região Nordeste
José Apolônio da Silva, Issac Martins Rodrigues, Rodrigo Santana, Suplente: Antônio Fernandes das Chagas
Região Sudeste
Túlio Barros Ferreira, Anselmo Silvestre, Cícero Canuto de Lima, José de Souza Reis, Suplente: José Gomes de Souza

23ª AGO
Data: 1977
Presidente: José Pimentel de Carvalho

24ª AGO
Data: 1979
Local: RS
Presidente: Túlio Barros Ferreira

25ª AGO
Data: 1981
Local: MG
Presidente: José Pimentel de Carvalho

26ª AGO
Data: 1983
Local: ES
Presidente: Manoel Ferreira

27ª AGO
Data: 1985
Local: GO
Presidente: José Pimentel de Carvalho

28ª AGO
Data: 1987
Local: BA
Presidente: Alcebíades Pereira Vasconcelos

29ª AGO
Data: 1988
Presidente: José Wellington Bezerra da Costa
1988 - Presidente: Avelino Maicá da Silveira

30ª AGO
Data: 1990
Local: SP
Presidente: José Wellington Bezerra da Costa

31ª AGO
Data: 1993
Local: MT
Presidente: Sebastião Rodrigues de Souza

32ª AGO
Data: 1995
Local: BA
Presidente: José Wellington Bezerra da Costa

33ª AGO
Data: 1997
Local: MG
Presidente: José Wellington Bezerra da Costa

34ª AGO
Data: 1999
Local: SP
Presidente: José Wellington Bezerra da Costa

35ª AGO
Data: 15 a 19 de janeiro de 2001
Local: Brasília, DF
Presidente: José Wellington Bezerra da Costa

36ª AGO
Data: 27 a 31 de janeiro de 2003
Local: Maceió, AL
Presidente: José Wellington Bezerra da Costa

37ª AGO
Data: 04 a 09 de Abril de 2005
Local: Riocentro - Rio de Janeiro, RJ
Presidente: José Wellington Bezerra da Costa

38ª AGO
Data: 16 a 20 de Abril de 2007
Local: Palácio das Convenções Anhembi - São Paulo, SP
Presidente: José Wellington Bezerra da Costa

39ª AGO
Data: 20 a 24 de Abril de 2009
Local: Centro de Exposições de Carapina - Serra, ES
Presidente: José Wellington Bezerra da Costa