sexta-feira, 24 de julho de 2009

O Namoro Inadequado

É necessário bom senso em relação ao namoro para que o mesmo não seja prejudicial por ser ele inadequado. Tipos de namoro inadequado:

1. Quando o namoro é precoce.

O tempo apropriado para o inicio do namoro não consiste tanto na idade, mas na maturidade. Um relacionamento afetivo iniciado antes do devido tempo dificilmente será edificante e construtivo. O melhor tempo para o namoro, noivado ou casamento é quando há maturidade para assumir compromisso com responsabilidade. Um namoro iniciado aos 14 anos de idade é um condicionamento de ciúmes desmedidos e um estimulante para a prática do auto-erotismo.
Na pré-adolescência tem inicio o período da puberdade quando ocorrem mudanças no corpo e na personalidade. Os hormônios sexuais estão em plena atividade e nisto consiste o risco do envolvimento e descontrole sexual no namoro. Na adolescência o namoro ainda prejudica os estudos, a formação pessoal e profissional. O adolescente deve esperar e se preparar para o namoro no tempo devido. Não foi sem propósito que Salomão escreveu em Eclesiastes 3.1 dizendo: “Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu”.

2. O namoro por passa tempo

Muitos jovens não entendem o significado e a finalidade real do namoro. Para alguns é apenas passa tempo, ter prazer ou brincar. Para outros é apenas conseguir afirmação perante os outros (Pv 26.18,19). Hoje em dia muitos já não namoram, apenas ficam. Mas este “ficar” trata-se de um relacionamento superficial, perigoso, sem compromisso e sem responsabilidade. Quem apenas “fica” visa somente à satisfação dos impulsos carnais, ficando assim com uma ou mais pessoas para a realização das suas aventuras amorosas.

Paulo faz clara advertência quanto às obras da carne neste particular: “Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: prostituição, impureza, lascívia” (Gl 5.24).
O namoro por passa tempo, sem compromisso, chama-se “flerte” (Dic. Namoro ligeiro, sem conseqüência, namorico). Todo viciado em flerte tende a continuar flertando após o casamento.
A Bíblia condena o “defraudar” a alguém, ou seja, tirar proveito da pessoa, e isto em conseqüência da lascívia: “que cada um de vós saiba possuir o próprio corpo em santificação e honra, não com o desejo de lascívia, como os gentios que não conhecem a Deus; e que, nesta matéria, ninguém ofenda nem defraude a seu irmão; porque o Senhor, contra todas estas coisas, como antes vos avisamos e testificamos claramente, é o vingador” (1Ts 4.4-6 – RA).
Um namoro sem propósito é um relacionamento fadado ao fracasso, frustrações e sem a aprovação de Deus.

3. O namoro prolongado

O namoro é apenas uma fase de sondagem para um propósito maior, o casamento. O jovem não é obrigado a se casar com a primeira namorada, mas é necessário que ele tenha este ideal em sua mente. Quando não houver a intenção do casamento em um namoro melhor seria encerrá-lo. Não se deve brincar com os sentimentos alheios, ninguém quer ser iludido (Mt 7.12). O maior problema no namoro prolongado é o aumento da familiaridade. Os limites cedem ficando cada vez maior a liberdade.

4. O namoro com descrente

Quem namora um descrente namora também com os seus pecados, vícios, problemas morais e com seu mundanismo. O namora de um crente com um descrente é uma preparação para o “jugo desigual”, como diz o apóstolo Paulo: “Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? E que concórdia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o fiel com o infiel? E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? Porque vós sois o templo do Deus vivente, como Deus disse: Neles habitarei e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo. Pelo que saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; e não toqueis nada imundo, e eu vos receberei” (2Co 6.14-16). Na seqüência dos versículos podemos ver os pilares do casamento, o mesmo não é completo no jugo desigual:

Sociedade: Associação de pessoas submetidas a um regulamento comum. Grupo de indivíduos que se juntam para viver de acordo com as normas de um instituto ou ordem religiosa;

Comunhão: Ato ou efeito de comungar. Comunidade de crenças ou opiniões;

Concórdia: Harmonia de vontade ou de opiniões;

Parte: Porção de um todo;

Consenso: Anuência, consentimento, acordo.

Jugo é um instrumento de traba­lho, tipo canga, que se unem os bois para puxarem o arado ou o carro. O "jugo desigual" acontece quan­do se coloca no mesmo jugo ani­mais de espécies diferentes, o que é proibido na lei de Deus (Dt 22.10; Lv 19.19). Esses animais são também diferentes no tama­nho, na altura, no passo, na for­ça, na alimentação ete. O jugo, figuradamente, apresenta lições práticas e preven­tivas para a vida do crente, a fim de que este evite a comunhão com o des­crente. Este pode tornar-se "bon­zinho" e até mesmo "quase cren­te" para conquistar o pretenden­te ao namoro, sem, contudo, querer muda­r de vida (Jo 3.3,5; 2 Co 5.17).

Podemos alistar alguns tipos de jugo desigual no tocante ao namoro:

a) O jugo desigual na fé e na re­ligião.
b) O jugo desigual no caráter.
c) O jugo desigual na idade.
d) O jugo desigual socioeco­nômico.