domingo, 29 de novembro de 2009

O cristão e os bens materiais

A riqueza em si não é demoníaca, nem a pobreza uma virtude espiritual

O cristão não pode viver alienado da vida físico-material, contanto que o material não sufoque o espiritual. Sabemos que nada trouxemos para este mundo e dele nada levaremos, mas enquanto aqui estivermos usemos deste mundo com sabedoria, porque tudo passa (1Co 7.31; 1Tm 6.7,8).

O cuidado em relação aos bens materiais não se relaciona à posse dos mesmos, mas quanto ao seu uso. Há pessoas que vivem insatisfeitas com o que possuem, estão sempre ansiosas por mais não se importando com os meios utilizados para tal (Hc 2.9; Pv 28.20).

O nosso sentimento quanto às posses moldam as nossas ações

É perigoso para o cristão o invejar aquele que prospera financeiramente. Isso pode levar o crente a proferir palavras ofensivas contra Deus correndo o risco de desviar-se da fé. Esta foi a experiência de Asafe (Sl 73.2-19).

No afã de enriquecer muitos tem naufragado na fé. Portanto, o cristão precisa fugir do amor ao dinheiro (1Tm 6.9-11–RA). É preciso ter uma posição de equilíbrio e maturidade como Agur no tocante a riqueza e a pobreza, (Pv 30.8,9-RA). A sobrevivência do Justo é garantida pelo Senhor em qualquer situação (Sl 37.25).

Salomão classifica alguns problemas decorrentes da riqueza segundo ele escreveu em Eclesiastes 5.10-15:

Quanto mais se ganha mais se deseja ganhar – v10;

Quanto mais se tem mais se gasta – v11;

A riqueza trás noites mal dormidas – v12;

A riqueza pode dissipar-se – vv 13,14;

Não se leva riqueza ao morrer – v15.

Deus sempre nos convoca ao altar da provação (1Pd 5.8-10). Foi no Moriá da provação que Deus revelou a Abraão a sua capacidade de suprir, “Deus Proverá!”.

Deus conhece todas as nossas necessidades. Quando o povo de Israel sofria no Egito Deus atentou para esse sofrimento e providenciou o livramento (Êx 3.7). O conhecimento de Deus é amplo e profundo, pois se fundamenta em sua onisciência (Mt 6.8,31-32);

Deus satisfaz todas as nossas necessidades. A dispensa de Deus é inesgotável. Deus proverá! Ele é suficientemente rico e poderoso para suprir tudo que precisamos (Ef 3.20);

Deus nos dar tudo àquilo que necessitamos. A graça é o favor que não merecemos. Toda a providência divina para nós é imerecida (Mt 5.45), mas de forma muito especial o Senhor supre as necessidades de seus filhos quando estes dão prioridade ao reino de Deus em suas vidas (Mt 6.33);

Deus é o dono do universo e nós somos seus filhos e herdeiros

No A.T. O povo de Deus tinha as bênçãos materiais como resposta à sua obediência aos mandamentos do Senhor (Dt 28.1-13). Hoje nós temos toda sorte de Bênçãos espirituais em Cristo Jesus, (Ef 1.3). Sem dúvida o espiritual é mais importante que o material, mas enquanto estivermos neste mundo o material se faz necessário.

É vontade de Deus que sejamos abençoados em três áreas específicas da vida, ou seja, no espiritual, no físico e no material (3Jo 1.2). Em escala de valores o espiritual é mais importante que o físico-material, mas os três têm o seu devido valor. Jesus afirmou que nos dá vida e vida com abundância (Jo 10.10).

Deus está interessado em suprir nossas necessidades nos dando condições para que tenhamos e possamos ajuadar aqueles que nada tem, bem como a Sua obra (Sl 112.1-5).