sábado, 13 de fevereiro de 2010

Comunicação, um fator de entendimento no casamento

Os que pensam que o ser crente e o ir à igreja faz com que seu casamento e sua família sejam automaticamente abençoados estão enganados. Há princípios, regras, normas e orientações sobre o casamento e a família revelados por Deus nas Escrituras, os quais precisam ser conhecidos e obedecidos para o sucesso no casamento e êxito da família.

Boa parte dos problemas e desentendimentos no casamento tem a ver com a comunicação entre os cônjuges. A bíblia tem muitas regras práticas sobre comunicação, mas há uma que é excelente. Encontra-se em Provérbios 15.1, que diz:

“A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira”.

Na versão da Linguagem de Hoje diz:

“A resposta delicada acalma o furor, mas a palavra dura aumenta a raiva”.

A mulher gosta de ser ouvida de ser entendida nas coisas que diz. O homem é diferente, quando ele está com algum problema se fecha logo ao diálogo. Ao se comunicar a mulher expressa sentimentos, daí a sua grande necessidade de falar sobre a relação e de ter um retorno do seu cônjuge a esse respeito. O silêncio do homem é uma das maiores ameaças para a mulher.

Problemas e diferenças no casamento não são perigosos. Mas não ser capaz de comunicar os problemas e diferenças, isso sim, é perigoso. Já que fomos criados como seres sociáveis, viver em isolamento geralmente provoca tristeza, depressão, angústia e, em casos extremos, o suicídio. Às vezes o isolamento foi causado por uma atitude errada, com a qual um dos cônjuges se ofendeu ou magoou-se. É preciso pedir perdão e buscar a reconciliação.

Não permita que o isolamento acabe a alegria do seu casamento. A pergunta é: “Andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?” (Am 3.3). Acordo se faz conversando, dialogando. Mas é necessário que marido e mulher entendam que implicação não é diálogo, que uma sucessão de perguntas e repostas não é diálogo, é entrevista, tal como: “onde você foi? o que estava fazendo? etc.

É um erro casar com a idéia de que vai transformar o outro cônjuge. Quem se casa deve saber que vai unir-se a uma pessoa adulta, de gosto e hábitos bem enraizados. Na realidade o que causa a perda da comunicação do casal é o medo da reação do cônjuge. Ela diz: “fiquei com medo que ele fosse explodir”. Ele diz: “Achei que ela fosse se aborrecer e cair num longo ressentimento”.

Há três armas que as pessoas usam para impedir a comunicação:

1) A Explosão. Todas as vezes que se diz a uma pessoa os seus defeitos, em vez de encará-los honestamente, a reação natural é explodir, é a sua alto-proteção;

2) As Lágrimas. Esta arma é mais usada pelas mulheres. Isto leva o marido a refrear sua comunicação a fim de não fazê-la chorar, ou então irá se irritar;

3) O Silêncio. O silêncio é um instrumento perigoso. No sentido de que rapidamente sufoca a comunicação e se torna um fardo pesado.

A palavra certa para os cônjuges é “ajustamento”. Mas como se ajustar?

1-Ouça atentamente as queixas do seu cônjuge sem se justificar;
2-Esteja disposto (a) a assumir seus erros;
3-Não faça ameaças contra seu cônjuge;
4-Evite levar os assuntos conjugais aos familiares;
5-Não permita que os sogros interfiram na vida dos dois.
6-Fale as três frases importantes para o ajustamento conjugal:
"Eu estou errado;
por favor, me perdoe;
eu te amo".