quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Amar faz bem à saúde!

Por Lorena Fraga

Pense em uma pessoa que você ama. O que sente quando a encontra? Com certeza é algo muito bom, não é mesmo? E não me refiro apenas aos casais, mas a todos os que estão à sua volta, como família e amigos. A boa notícia é que, além dos benefícios já conhecidos, cientistas descobriram que esse sentimento também faz bem à saúde, principalmente ao coração. Não é à toa que esse órgão tão importante do nosso corpo é o símbolo do amor!

Pesquisa divulgada pela Federação Mundial do Coração, na Suíça, revelou que quem ama tem o estresse, a depressão e a ansiedade fortemente reduzidos - três fatores de risco que podem resultar em doenças do coração. O estudo mostrou também que uma em cada três mortes no mundo ocorre devido a problemas cardiológicos. Por isso, é tão importante adotar um estilo de vida saudável e conhecer os impactos do amor no nosso organismo.

Num outro estudo, que levou cinco anos para ser realizado, envolvendo 10 mil homens com tendência para desenvolver doenças cardíacos, todos os que responderam positivamente a uma pergunta simples ("Sua mulher demonstra amor por você?") tiveram metade do risco de sofrer a doença.

"O amor faz transformações químicas no corpo. Ele provoca a liberação de substâncias, como os hormônios, que dão disposição, bem-estar e a sensação de prazer e de alegria", revela o cardiologista pesquisador da Universidade Federal de Brasília, Dr. Daniel França Vasconcelos.

O rei Salomão já afirmava o que agora a ciência explica, em Provérbios 15.13: "O coração alegre aformoseia o rosto, mas pela dor do coração o espírito se abate". 

No Brasil, um em cada três indivíduos sofrerá de doenças cardiovasculares em algum momento da vida – e o grande diferencial para evitá-Ias é adotar um estilo de vida adequado, que envolva relacionamentos saudáveis. Profissionais de saúde são unânimes em afirmar que quem ama e é amado vive mais e melhor. Por isso, além dos cuidados com a alimentação e com o corpo, é fundamental amar!

Amar, Um Ótimo Remédio

Além de fazer bem à saúde, o amor também pode restaurá-Ia. Isso é constatado em Provérbios 17.22: "O coração alegre é como o bom remédio, ' mas o espírito abatido seca até os ossos”.

O pesquisador Daniel França Vasconcelos exemplifica. "Todo mundo sabe contar uma história de alguém que perdeu um ente querido e foi diagnosticado com uma doença grave, muitas vezes incurável. Por outro lado, há casos de pessoas que permaneceram em coma por anos, masque receberam os cuidados de familiares e despertaram de repente", exemplifica o médico.

Na Universidade de Brasília, uma pesquisa comprovou que a energia eletromagnético emitida pelo coração é muito superior à do cérebro. Mais do que isso, as batidas do coração influenciam, de alguma forma, os registros da atividade elétrica do cérebro. Quando duas pessoas afetivamente ligadas estão próximas, as batidas do coração de uma interferem nos registros cerebrais da outra. Por isso, o afeto e o amor podem ser decisivos também na recuperação de pacientes.

"Quem recebe suporte afetivo, inclusive orações, reage de maneira mais eficiente ao tratamento. Uma das explicações é que as células de defesa (sistema imunológico) recebem diretamente os impactos desse poderoso sentimento", ressalta o cardiologista Daniel Vasconcelos.

Agora você já sabe. Quando lemos o primeiro e maior mandamento "Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças", e o segundo "Amarás o teu próxi mo como a ti mesmo" (Marcos 12.30,31), o nosso Pai, todo-poderoso e onisciente, com o Seu infinito amor, está na verdade nos oferecendo o segredo de uma vida saudável e feliz!

Portanto, guarde - de preferência no coração - o sábio conselho de Paulo, escrito enn1Coríntios 16.14: "Todas as vossas coisas sejam feitas com amor".

Fonte: Revista Geração JC (CPAD)