segunda-feira, 23 de agosto de 2010

O que ocorre com o mau uso do televisor

Estímulo à violência

Noventa por cento dos programas e dos filmes importados, estimulam a violência. Esse estímu lo vai atingir em cheio a juventude, na fase da formação do seu caráter.

Um Simpósio Nacional sobre a Televisão e a Criança, afirmou que "uma criança no Brasil, ao atingir 14 anos de idade, já testemunhou 11.000 (onze mil) crimes na tevê. Não se incluindo, neste total, contraban dos, combates, estupros, assaltos e espancamentos que re sultam em mortes".

A violência continuada é a tônica dos programas dos canais de tevê e não há opção de escolha para o telespecta dor. "Uma pesquisa feita por uma equipe, aqui no Brasil durante 200 horas de programação, revelou os seguintes dados: 30 mortes cruéis, 1018 lutas, 3.592 acidentes, 32 roubos, 616 cenas de uso indevido de armas, 57 seqüestros, 819 desafios, 410 trapaças, 86 casos de chantagem e 321 aparições de monstros e animais ferozes”.


Ora, diante desses fatos angustiantes, perguntamos: "Quantas horas há na tevê de pregação do Evangelho de Jesus, que pode transformar os homens? quantos exemplos de famílias felizes que possam ser imitados? quantos pro gramas que possam combater os maus programas? De tudo isto, - é verdade - há bem pouco na tevê brasileira.

Cremos que seria melhor ocupar o espaço da televisão com a pregação do Evangelho, do que ficar falando contra a televisão, que, em si, nada tem de errado; ela é neutra; está esperando apenas que a usem corretamente. Se as igrejas preferem ficar voltados para os interesses da sua denominação, ao invés de se preocuparem seriamente com a evangelização, o Diabo vai ocupando os meios de co municação eficientes, e ganhando mais adeptos para o rei no das trevas; vai ceifando vidas através da mídia em geral. É me lhor acender a luz do que ficar maldizendo a escuridão.


O estímulo ao pecado

A televisão, na maior parte dos programas, exalta a pe caminosidade. O adultério, a prostituição, as práticas se xuais ilícitas são exaltadas e apresentadas como coisas muito naturais. A traição, a infidelidade conjugal, são o "prato do dia" dos programas, dos filmes e das novelas da tevê. Essas imundícies são jogadas pelo vídeo, na sala de estar, no quarto de dormir de muitos cristãos. Sem dúvida, isso não é condizente com o ambiente espiritual que deve reinar no lar de um servo de Deus.

Como se sentiria uma família que, assistindo progra mas imorais ou violentos, visse Jesus se apresentar no meio da sala? - Ficaria feliz, satisfeita, tranqüila?


A tevê modifica a visão das coisas

Nas novelas, aquilo que é certo, como o amor conjugal verdadeiro e puro, é visto como coisa errada, ultrapassada. A desobediência aos pais é ensinada. A mansidão, qualida de que deve ser cultivada, é vista como algo desinteressan te, mas a violência é exaltada. A pureza sexual é vista como coisa ultrapassada. O falso "amor livre" é exaltado. Geralmente, nos programas de tevê, o roubo, a trapaça, são sinônimos de capacidade intelectual, enquanto a ho nestidade é vista como coisa de fraco. O amor a Deus é relegado ao esquecimento. O materialismo é mostrado como algo muito nobre e elevado. A religião certa é ridicu larizada, enquanto as doutrinas de demônios são promovi das. Para estas há bastante espaço na tevê. Os heróis não são os pregadores, os missionários, que dão suas vidas pe las almas perdidas; não são os pais de família honestos; não são os trabalhadores, que, com seu suor, promovem a riqueza da nação; não! Os heróis são os ladrões; são os vio lentos; são os falsos líderes;; são os adúlteros, são os homossexuais, são as lésbi cas, são as falsas personagens de ficção.

Programas de tevê são usados pelo Diabo para a destruição dos lares, da fé, da pureza, do pudor, da vergonha, da ho nestidade e de tudo o que deveria ser preservado na socie dade. Os lares cristãos não podem contribuir para a propa gação desta onda de destruição espiritual e moral. Tudo isso acontece porque o mundo, que "jaz no maligno", está sendo guiado pelos valores deturpados dos guias materialistas do nosso tempo, que, por sua vez, são guiados por Satanás. Mas os cristãos, ao contrário, "são guiados pelo Espírito de Deus" (Rm 8.14).

Diante do perigo do mau uso da tevê, precisamos com bater esse mau uso, de maneira sábia e eficaz:


1º - É preciso que o uso da tevê seja controlado. Deve-se examinar tudo e reter somente o bem. O ideal seria que as igrejas, como já foi dito, ocupassem espaço na televi são, para mostrar o certo, em vez de só falar contra o erra do, o que, aliás, não modifica nada;

2° - É preciso cuidado. Se o pai de família é cristão, mas a família não é, é melhor ter paciência, an tes de pensar em se desfazer do televisor. Isso pode chocar, afastando mais a família do Evangelho;

3º - É preciso não ocupar o tempo destinado à oração, à leitura da Bíblia; ao culto doméstico, à conversa com a família, à ida à Igreja, às visitas aos amigos, com os pro­gramas de tevê. Se isto não for possível, é melhor não ter televisor em casa;

4º - É preciso dedicar atenção aos filhos, conver sando com eles, mostrando por eles interesse e lhes dando o alimento espiritual que precisam, do contrário ficarão "famintos" e "comerão" tudo o que a "babá eletrônica" lhes oferece para transformá-los, mais tarde, em filhos sem conhecimento dos princípios cristãos passando a viverem sem Deus, sem amor, sem salvação;

5º - É preciso não permitir que o templo de Deus seja profanado. Nós somos templo de Deus. Os olhos são as por tas desse templo. Precisam ser puros. "Não porei coisa má diante de meus olhos" (SI 101.3). Se não for possível num lar cristão, exercer-se o contro le dos programas de tevê, é melhor que nele não haja um aparelho de tele visão.

Parodiando o Salmo 23 a Canadá Lutheran assim coloca

“A TV é o meu pastor; nada me faltará.
Ela me faz repousar no sofá, e tenta afastar-me da fé.
Ataca-me a alma. Guia-me pelas veredas do sexo e da violência por amor do patrocinador.
Ainda que eu ande pela sombra das responsabilidades cristãs, não haverá interrupção, porque a TV está comigo; seu cabo e controle remoto me consolam. Ela me prepara uma mesa de comerciais na presença da minha mundanidade; unge-me a cabeça com humanismo e consumismo; minha cabeça transborda. Preguiça e ignorância certamente me seguirão todos os dias da minha vida, e habitarei em casa olhando TV para todo Sempre.
  
O altar da devoção não deve ser substituído
pelo altar da televisão
(Pense nisso)