domingo, 23 de janeiro de 2011

Cultos com muito louvor e "sem tempo" para nenhuma ministração da Palavra de Deus


A frase em destaque da imagem acima (clique para ampliá-la) diz: “Hoje o culto foi uma bênção. A adoração foi tão intensa ao som de 'Emanuel', de Nívea Soares, que não teve tempo para a Palavra de Deus”.

É sob este reflexo que a geração evangélica de muitas igrejas está se desenvolvendo. Até parece que, com a extinção das escolas dominicais e dos cultos de ensino, o que é bíblico está virando humano, e o que é pasto está virando leite irracional.

Num culto onde a Palavra de Deus já não predomina e, em vez disso, as canções têm se tornado a doutrina do povo, o crescimento na graça e no conhecimento vai sendo feito de forma minguada.

É assim que muitas igrejas estão crescendo: sem doutrinação, sem fundamentação bíblica, sem conhecimento contra as vãs filosofias e, pior, sem sustentabilidade contra as tentações malignas (Mt 4).

Enquanto a lâmpada para os pés de muitos crentes segue sendo o louvor, as vidas vão digerindo pratos frios semelhantes às lentilhas mundanas. A diferença é que os manjares do mundo parecem saborosos, mas são venenosos. No caso das guloseimas gospel, a alma vai morrendo sem sustância e sem nutritivos.

Que possamos ao menos dizer: ""Muita paz têm os que amam a tua lei, e para eles não há tropeço." (Salmos 119 : 165)" (Salmos 119.92)
A-BD