quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Deus é matemático?

A matemática é uma invenção humana ou uma descoberta? Em livro que está sendo lançado neste início de janeiro, o físico e escritor Mario Livio tenta responder essa e muitas outras questões que vêm intrigando gerações de pensadores. “Deus é matemático?” investiga por que a matemática, uma disciplina aparentemente tão abstrata, é capaz de explicar perfeitamente o mundo natural e até fazer previsões, por exemplo, sobre partículas subatômicas ou fenômenos cósmicos. O autor explora com brilhantismo e de forma acessível as ideias dos maiores matemáticos e cientistas da História. Um livro fascinante para qualquer pessoa curiosa sobre a mente humana, o mundo científico e as relações entre eles. A obra acaba de chegar às livrarias pela Editora Record. 
 
O ganhador do Prêmio Nobel Eugene Wigner certa vez se perguntou sobre "a inexplicável efetividade da matemática" na formulação das leis da natureza. Como uma disciplina aparentemente tão abstrata é capaz de explicar perfeitamente o mundo natural? Mais que isso – de fazer previsões, por exemplo, sobre fenômenos cósmicos até então desconhecidos, mas que depois se demonstrou serem verdadeiros. Desde os tempos antigos até o presente, a questão vem desafiando cientistas e filósofos.

Em “Deus é matemático?”, o astrofísico e matemático Mario Livio, autor de “A equação que ninguém conseguia resolver”, investiga por que a matemática tem o poder que tem. E explora uma das questões mais fascinantes da física fundamental: afinal de contas, a matemática é uma invenção da mente humana ou vem sendo descoberta aos poucos — assim como os astrônomos descobriram antes galáxias desconhecidas? Se, como insistia Einstein, a matemática for "um produto do pensamento humano que é independente da experiência", como é capaz de descrever com tanta precisão e até prever o mundo que nos cerca?

Os próprios matemáticos muitas vezes insistem em que seu trabalho não tem nenhum efeito prático. O matemático britânico G. H. Hardy foi longe a ponto de descrever seu próprio trabalho desta maneira: "Nenhuma descoberta minha fez, nem é provável que venha a fazer, direta ou indiretamente, para o bem ou para o mal, a menor diferença para o bem-estar do mundo". Ele estava errado. A lei de Hardy-Weinberg permite que geneticistas de população prevejam como os genes são transmitidos de uma geração à seguinte e o trabalho de Hardy sobre a teoria dos números encontrou implicações inesperadas no desenvolvimento de códigos.

Mario Livio explora com brilhantismo as ideias matemáticas desde Pitágoras e Arquimedes até os dias de hoje ao nos mostrar como as intrigantes perguntas e as engenhosas respostas levaram a concepções cada vez mais profundas do nosso mundo. E oferece uma discussão original e vigorosa de tópicos que abrangem da cosmologia às ciências cognitivas, da matemática à religião. Este livro fascinante interessará a qualquer pessoa curiosa sobre a mente humana, o mundo científico e as relações entre eles.

Mario Livio é astrofísico sênior e Chefe do Gabinete de Divulgação do Instituto de Ciências do Telescópio Espacial Hubble, de Baltimore, Maryland. É autor de vários livros, entre eles Razão Áurea: a história de Fi, um número surpreendente, A equação que ninguém conseguia resolver e The Accelerating Universe. Conduz pesquisas em uma grande gama de tópicos de cosmologia e astrofísica. Publicou mais de quatrocentos artigos científicos e costuma dar palestras para o público geral sobre temas científicos.

“Deus é matemático?”
(Is God a Mathematician?)
Mario Livio
Tradução de Jesus de Paula Assis
352 páginas
Formato: 16x23 cm
Não ficção estrangeira | Matemática
Editora Record

Fonte: Agência Soma