sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Quem sou eu?



"Jesus Cristo, e não homem algum ou o Estado, é o nosso único Salvador" (Bonhoeffer).

"Quem sou eu?" é o título do último poema escrito pelo teólogo Dietrich Bonhoeffer. Um desses poucos cristãos que não serviu ao diabo e, por causa disso, pagou com a própria vida. Ele escreveu seu poema enquanto estava em sua cela em Berlim, aguardando sua execução. Qual o crime do teólogo cristão? Ter participado efetivamente de um complô para matar Hitler.



Quem sou eu?

Quem sou eu? Muitas vezes eles me dizem
que eu sairia da prisão da minha cela
calma, alegre, firmemente,
como um lorde sairia de sua casa de campo.

Quem sou eu? Muitas vezes eles me dizem
que eu poderia conversar com os guardas da minha prisão
com liberdade e amizade e clareza,
como se fosse eu a comandá-los.

Quem sou eu? Eles também me dizem 
que eu suportaria os dias de meu infortúnio
com equidade, sorrindo, orgulhoso,
como quem está acostumado a vencer.

Sou então realmente tudo o que os outros homens dizem?
Ou sou apenas o que conheço de mim mesmo?
Inquieto, carente e doente, como ave engaiolada, 
lutando para respirar, como se mãos estivessem 
apertando minha garganta,
faminto de cores, de flores, de vozes de aves, 
sedento de palavras de bondade, de bons vizinhos,
tremendo de ira com o depotismo e humilhação mesquinha, 
enlevado pela perspectiva de grandes eventos,
sem forças, sofrendo por amigos em distância infinita,
cansado e vazio de oração, de pensar, de fazer,
desmaiando e pronto para dizer adeus a tudo.

Quem sou eu? Este ou o outro?
Sou eu hoje uma pessoa e amanhã serei outra?
Sou ambos de uma só vez? Hipócrita perante os outros
e diante de mim um fraco desprezível e desastrado?
Ou existe algo em mim ainda como um exército vencido,
fugindo em desordem da vitória já atingida?

Quem sou eu? Elas zombam, essas minhas perguntas solitárias.
Quem quer que eu seja, Tu sabes, ó Deus, que sou Teu.

Dietrich Bonhoeffer
Extraído do livro "O chamado", de Os Guiness.