sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Se a Terra gira a mais de mil km/h, por que é que não ficamos tontos?



Ciência explica porque não nos sentimos mal mesmo com a alta velocidade de rotação da Terra.

Quem já girou o corpo muitas vezes, parou e tentou caminhar sabe bem o que é sentir tontura. A mesma sensação pode aparecer quando mudamos de posição rapidamente e algumas pessoas também se sentem tontas por causa do balanço do mar.

Mas nenhuma dessas situações se compara ao movimento da Terra, que gira a uma velocidade que pode chegar a aproximadamente 1.700 km/h na região do Equador. Então, como não sentimos tontura ou nenhum tipo de desequilíbrio se o planeta está se movendo em uma velocidade tão alta?

O El Mundo aponta que, de acordo com Antonio Ruiz de Elvira, professor de Física da Universidade de Alcalá, em Madri, na Espanha, a tontura é um efeito secundário de um mecanismo que temos no corpo e serve para manter nosso equilíbrio nas três dimensões. Tal mecanismo é formado pelos canais semicirculares que estão conectados entre os ouvidos.

Sempre que movemos a cabeça lentamente, o corpo registra essa mudança e aciona diferentes músculos para que possamos nos manter em pé. Mas se o movimento é muito rápido, o cérebro não sabe quais sinais enviar e podemos acabar caindo por falta de coordenação muscular.

O professor ainda relembra as aulas de física e ressalta que o movimento, assim como afirmaram Galileu e Eistein, é relativo, ou seja, só tem significado quando está relacionado a outro ponto imóvel. O especialista ainda exemplifica nossa relação com a Terra a partir de uma viagem de avião:

“Em um avião, à noite e sem turbulências, não sabemos que estamos nos movendo. O mesmo acontece com a Terra: para nossos ouvidos estamos parados, pois tudo o que nos rodeia se move junto conosco”.

Fonte: El Mundo