segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

A ética na vida do obreiro


Por Pr. Levi Costa

"Havia um homem na terra de Uz, cujo nome era Jó; e era este homem íntegro, reto e temente a Deus e desviava-se do mal." (Jó 1.1)

A Bíblia não menciona especificamente a palavra ética, mas o equivalente bíblico pra ética é; "íntegro e reto", que tem o sentido de "eticamente correto". Jó era eticamente correto porque, em primeiro lugar, ele era temente a Deus e desviava-se do mal (cf. Pv 8.13; 9.10). A ética está voltada para todos os atos livres do indivíduo, tanto na família quanto na sociedade e na igreja. 

Boas qualificações na vida do obreiro são de fundamental importância para autenticar o seu serviço junto à igreja. Conforme Atos capítulo 6, uma das qualidades necessárias na vida do obreiro é: Boa Reputação. Isto é, bom testemunho. É algo que se submete ao julgamento público (1 Tm 3.7,8); Isto implica em ter cuidado com a linguagem, o vestir e o comportamento em público - (Tt 2.7) 

A atividade ministerial exige a observância de princípios éticos bem definidos. O código de ética do ministério cristão encontra-se na Bíblia, a Palavra de Deus, nossa regra de fé e prática. Cabe aos obreiros de Deus aplicar os princípios bíblicos ao exercício de suas funções (2 Tm 3.16,17)

Paulo exortou a Timóteo a ser exemplo dos fiéis para que estes não o desprezassem por ser ele um jovem pastor. Tal exemplo se relaciona às qualidades de caráter a ser demonstrado na prática - (1 Tm 4.12). 

No lidar com as pessoas o obreiro prudente deve ter o cuidado de levar em consideração a questão da idade e do sexo para dar um tratamento diferenciado com o devido respeito - (1 Tm 5.1-3)

Não existe organização sem uma ordem que demonstre a hierarquia a ser obedecida. Num banco encontramos diretoria, chefia e supervisor. Numa indústria tem diretor, administrador e chefia de serviço. Sem isso, ninguém faria nada ou seria uma bagunça total. 

Depois da morte de Josué a nação de Israel ficou sem um governo, todos faziam o que bem Ihes parecia fazer. Diante da desordem que se estabeleceu, o Senhor levantou juízes para governar o povo - (Jz 2.7-16; 17.6 e 21.25) 

Já imaginou uma igreja sem pastor, sem ministério? Mas há quem diga que não precisa de pastor, pois só obedece a Deus. Não sabe este que os pastores foram constituídos por Deus para o cuidado do rebanho - (Jr 3.15; At 20.28) 

O obreiro zeloso não deixa que nada macule seu ministério. Não usará de críticas contra seus colegas de ministério nem contra seu pastor, se observa alguém assim fazendo imediatamente desmotiva-o de tal atitude. Não deve o obreiro juntar-se aos revoltosos contrários à liderança, se o líder cometer algum erro, isso não justifica atos de rebeldia, o que vale é uma conversa franca e respeitosa. 

Falar mal de quem nos lidera é desleal, desonesto e traição. Se o obreiro não concorda com seu líder, procure tirar as dúvidas com ele próprio, mas não havendo acordo, mude-se, pois "a Seara é grande". 

A igreja é também uma organização social, e toda organização religiosa tem o seu estatuto e regimento interno. Portanto, havendo leis, há disciplina. A disciplina é aplicada de acordo com a Palavra de Deus e o ministério não deve ir além disso. 

Fazendo uso das palavras do apóstolo Paulo a Arquipo concluímos dizendo: "atenta para o ministério que recebestes do Senhor, para que o cumpras. Saudação da minha mão, de Paulo. Lembrai-vos das minhas prisões. A graça seja convosco. Amém!" (Cl 4.17).