terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

O cuidado com o trabalho pastoral




Por Pr. Levi Costa

Pastor: “Aquele que alimenta e guarda as ovelhas”. 

“Porque, se alguém não sabe governar a sua própria casa, terá cuidado da igreja de Deus? (1 Tm 3.5). 

O pastor (bispo), tem o dever de governar a sua própria casa, para que, assim, possa ser apto para cuidar da igreja do Senhor. Entenda, o pastor governa a sua casa e cuida da igreja, Deus é quem governa a igreja, pois a Igreja é do Senhor, não é ela uma propriedade do homem, ou seja, do pastor.

Os pastores foram constituídos pelo Espírito Santo para a função de apascentar a igreja do Senhor, a qual foi resgatada por Ele e para Ele. É o que nos diz a palavra:"Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue", (At 20.28).

O pastor deve ter duas principais características: amor às ovelhas e amor à palavra de Deus. Ele deve ser vocacionado e dotado de conhecimento das Escrituras, capacitado para dirigir a igreja nas atividades espirituais, ministeriais, e administrativas. No sentido de dirigir, organizar e administrar. Significa liderar com segurança, prudência, sabedoria e discernimento. 

Nem todos possuem a capacidade para ensinar ou transmitir conhecimento, a não ser que receba o dom. O mestre pode até não pastorear, mas o pastor deve sempre ensinar. Como disse o apostolo Paulo: “Convém, pois, que o bispo seja... apto para ensinar” (1 Tm 3.2). É ensinar tanto na teoria como na prática; é ensinar a entender e ensinar a fazer (Tg 3.1).

Grande é o peso da responsabilidade pastoral, o cuidado das almas que lhes foram confiadas pelo Senhor, tanto é assim, que o escritor aos hebreus diz que os pastores prestarão contas de cada uma dessas almas ao Senhor, veja: 

“Obedecei a vossos pastores, e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossas almas, como aqueles que hão de dar conta delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil.” (Hb 13.17). 

Mas, por outro lado, no mesmo versículo, é dito às ovelhas para que obedeçam aos seus pastores em sujeição a eles, para que o trabalho pastoral não seja um fardo pesado, pois isso não seria nada útil para o próprio rebanho, não seria útil para a vida da igreja.

Pastorear é servir, é prestar serviço, ajudar sem esperar recompensa ou retribuição. É fazer o necessário por amor à causa do Mestre e por amor às almas que Ele lhe confiou. 

O apascentador do rebanho deve ter o maior cuidado em como fazer esse trabalho junto às Suas ovelhas do Senhor. O apóstolo Pedro orienta aos pastores em como realizar a sua função pastoral, veja o que ele diz: 

"Pastoreiem o rebanho de Deus que está aos seus cuidados. Olhem por ele, não por obrigação, mas de livre vontade, como Deus quer. Não façam isso por ganância, mas com o desejo de servir. Não ajam como dominadores dos que lhes foram confiados, mas como exemplos para o rebanho. Quando se manifestar o Supremo Pastor, vocês receberão a imperecível coroa da glória." (1 Pe 5.2-4-NVI).

Nas palavra do apóstolo, o pastorado deve ser aceito de livre vontade e não como uma obrigação, ou como disse o apóstolo Paulo: "se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja." (1 Tm 3.1), ou seja, a função pastoral deve ser fruto de um desejo pessoal que brota do coração daquele que almeja esta que é uma excelente obra. 

Pedro continua orientando aos pastores ao advertir que o exercício do trabalho pastoral não deve ser motivado por torpe ganância, mas com o desejo de servir, aliás, o pastor não é outra coisa senão um servo do Senhor junto ao rebanho. Por isso que Pedro diz que os pastores não devem agir como dominadores sobre o rebanho, pois Deus é o único que tem total domínio sobre o rebanho o qual só a Ele pertence. O pastor deve ser um exemplo para o rebanho aos seus cuidados, é o que acrescenta o apóstolo em seu escrito.

Por fim, Pedro diz que quando se manifestar o Supremo Pastor (Jesus Cristo, os pastores que fizeram a obra, receberão a imperecível coroa da glória. Esta recompensa, a coroa da glória, se destina exclusivamente para os pastores que cuidaram das ovelhas, que promoveram o reino de Deus sem esperar recompensa material pela obra realizada. Estes receberão do Senhor, naquele grande dia, o devido reconhecimento. O escritor aos hebreus diz: 

“porque Deus não é injusto para se esquecer da vossa obra e do trabalho que para com o seu nome mostrastes...” (Hb 6.10).