domingo, 7 de fevereiro de 2016

Pastor não é um ofício, pastor é um dom! Como os demais dons ministeriais.

"E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores." - (Ef 4.11).

Por Levi Costa

Pastor, é um dos cinco dons ministeriais concedidos por Jesus a seus servos. Aquele que tem o DOM de pastor pode e deve ter o OFÍCIO de Bispo ou Presbítero, ambos são reconhecidos mediante uma ordenação oficial ao cargo (sem falar no Ancião, que não vem ao caso), cada um com a sua devida função pastoral, em níveis diferentes de atuação, assistidos pelos diáconos que são separados para a obra e pelos cooperadores que são assim reconhecidos. 

Não se ordena alguém ao ministério para que ele tenha o dom (pastor, por exemplo), mas para que ele tenha o ofício, pois já tem o dom de pastor. Portanto, o ministério, nesses casos, é o pastoral, já o ofício é o episcopado (bispo), e o presbiterato (presbítero). Por que então não foi assim desde o início?. Eu creio que foi devido ao fato do ofício de bispo existir na igreja católica, só que este é um pastor com o ofício de bispo. Então, para diferenciar, foi reconhecido e oficializado o DOM (pastor), e não o OFÍCIO (Bispo) no meio evangélico. Primeiro é necessário ter o dom (Pastor), para, então, receber o ofício (Bispo/Presbítero), o dom é concedido por Deus, o ofício é ordenado pelos homens. O termo Bispo não é uma possessão católica, nem o de pastor é uma possessão evangélica, ambos são legítimos e intercambiáveis em uma mesma pessoa que exerce o ofício religioso nos moldes cristão. 

Por isso digo, se um dia eu vier a presidir uma obra, eu reconhecerei a ordenação no OFÍCIO de BISPO Pr. Presidente, o Supervisor Geral do Ministério, conforme o próprio termo (1 Tm 3.1,2). Os demais obreiros imediatos são: O OFÍCIO de PRESBÍTERO, na função de Pr. Dirigente local, subordinado ao Bispo (1 Tm 5.17; 1 Pe 5.1; 3 Jo 3.1); os DIÁCONOS (1 Tm 3.8,12), para servirem às mesas, não o púlpito, função do Bispo e dos Presbíteros; esses seriam consagrados, não ordenados, ordenação cabe a Bispo e Presbíteros. E os COOPERADORES, são os Auxiliares reconhecidos para atuarem junto aos diáconos. Seriam esses os obreiros de um ministério se o Senhor vier a conceder-me um dia. É isso.

Os cinco dons ministeriais

Ainda encontramos em Efésios 4.11, os demais dons de: Apóstolo; Profeta, Evangelista e Mestre (doutor). Vejamos:

O apóstolo, (aquele enviado com uma mensagem). Já não temos mais nos dias de hoje a figura do apóstolo como nos moldes dos apóstolos originais. Hoje, quem ocupa a função como um apóstolo, enviado com uma mensagem, são os missionários desbravadores da obra, assim como os apóstolo foram na igreja primitiva;

O profeta, (aquele que fala da parte de Deus ao homem). Hoje não tem mais o ministério profético como no Antigo Testamente, João Batista foi o último dos profetas vero-testamentário. O que temos hoje é o dom de profecia. Já no caso do dom ministerial de profeta, em Efésios 4, trata-se de um ministro pregador da Palavra de Deus, que pode, pela Palavra pregada, falar profeticamente a seus ouvintes;

O Evangelista, (mensageiro das boas novas), qualquer um dentre os servos de Deus pode ser agraciado com o dom de evangelista. É aquele que tem paixão pelas almas perdidas e sai em busca de ganhá-las para Cristo através da mensagem do Evangelho. Este tem um verdadeiro amor pelos pecadores do mundo e quer vê-los salvos, transformados e libertos por Cristo;

(O Pastor, é aquele que alimenta e guarda as ovelhas. É ele vocacionado e dotado de conhecimento das Escrituras e capacitado para dirigir a igreja nas atividades espirituais, ministeriais e administrativas).

O Mestre. Na versão corrigida é doutor, isto é, doutor no ensino da palavra. Nem todos possuem a capacidade para ensinar ou transmitir conhecimento, mas o mestre é ele idôneo, é habilitado e capaz de adquirir e transmitir conhecimento. O conhecimento que o mestre tem é tanto natural como adquirido mediante o dom que lhe capacita. 

Portanto, assim como no caso do pastor, que não é um ofício, pastor é um dom! Os demais dons ministeriais não são para serem oficializados, ordenando uma pessoa como mestre, como profeta, como apóstolo ou como evangelista, por se tratar de dons, e não de oficios.