domingo, 24 de abril de 2016

Pregando o Evangelho a toda criatura


Por Pr. Levi Costa

Nos dias de hoje, eu fico observando os pregadores que só pregam baseados no Antigo Testamento, porque será? Eu acho que é pelo fato de a mensagem ser mais pautada no fato histórico do que no ato doutrinário do texto. Mas mesmo que seja um texto do Antigo Testamento, nós podemos aplicá-lo conforme o contexto neotestamentário, ou seja, o Antigo se realiza, se completa e se cumpre no Novo Testamento.

Nós não podemos definir a doutrina meramente no contexto vero testamentário, o Velho Testamento não nos serve hoje como compêndio doutrinário para a Igreja, isso cabe aos ensinamentos no Novo Testamento. Como disso o próprio Senhor Jesus: "Ouvistes que foi dito aos antigos... Eu, porém, vos digo.." (Mt 5.27a,28a), e: "Um novo mandamento vos dou..." (Jo 13.34a).

De modo claro e objetivo, o escritor aos hebreus, repetidas vezes, disse do Antigo Testamento:

"Os quais servem de exemplo e sombra das coisas celestiais..." (8.5a);
"Que é uma alegoria para o tempo presente..." (9.9a);
"Porque tendo a lei a sombra dos bens futuros, e não a imagem exata das coisas..." (10.1a);
"E daí também em figura ele o recobrou" (Hb 11.19).

Assim, podemos vê claramente que o Antigo Testamento era apenas a introdução para algo maior e real que estava por vir. Agora, se pregarmos hoje apenas as coisa antigas, do velho pacto, sem contextualizar com seu devido cumprimento no Novo Pacto, estaremos prestando um desserviço à causa do Mestre, o qual, Cristo, veio em pessoa cumprir e respaldar aquilo que era apenas um vislumbre de sua obra redentora, salvífica e eterna com a humanidade.

Portanto:

"Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura" (Mc 16.15);
"Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim, se não anunciar o evangelho!" (1 Co 9.16);
"Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu, e também do grego" (Rm 1.16).