segunda-feira, 4 de abril de 2016

Transformados pela renovação do entendimento

Por Pr. Levi Costa 

O apóstolo Paulo, escrevendo aos romanos, diz: 

"Não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento..."(Rm 12.2a).

O que Paulo quis dizer foi: Não conformados, mas transformados pela renovação da mente. 

Segundo o dicionário da língua portuguesa, CONFORMAR é:

- dar ou tomar forma; configurar(-se);
- estar em conformidade ou de acordo com; identificar-se;
- pôr(-se) em conformidade com outra coisa tomada como modelo;
- resignar-se com; aceitar; sujeitar-se a, submeter-se.

Assim, conformar, seria o mesmo que ser segundo a forma pré-estabelecida. É condicionar-se aos moldes de um padrão idealizado para um fim específico. 

Já TRANSFORMAR, segundo o dicionário, é:

- fazer tomar ou tomar nova feição ou caráter; alterar(-se), modificar(-se);
- fazer passar ou passar de um estado ou condição a outro; converter(-se), transfigurar(-se);
- mudar mediante transformação. 

Mas como é possível uma transformação para sairmos da conformação? Ou, como podemos ser transformados e não conformados?

A resposta a estas indagações, encontra-se no mesmo versículo bíblico quando Paulo assevera que é pela RENOVAÇÃO do nosso ENTENDIMENTO, ou seja, transformados na mente, no modo de pensar. Como já dizia certo filósofo: “o homem é aquilo que ele pensa”. 

O salmista se expressa dizendo que através da palavra de Deus o mais simples dos homens pode adquirir a luz do entendimento pra sua vida: "A entrada das tuas palavras dá luz, dá entendimento aos símplices", (Sl 119.130).

Já em matéria de fé, para que ela se consolide, é necessário um processo de três estágios, ou seja, ela passa primeiro pela mente, depois pelo sentimento e, finalmente, pela vontade. O processo mental tem a ver com o intelecto, é a racionalidade do que nos é proposto. Ato contínuo, o sentimento é acionado conforme o entendimento daquilo que nos foi apresentado gerando em nós o querer pessoal em aceitar (pelo menos nesse primeiro momento), a proposta apresentada, e, assim, a vontade é acionada, levando ao fato concreto na prática objetiva por meio da fé que agora temos em nosso ser. 

O escritor aos hebreu assevera que: “Pela fé entendemos que os mundos pela palavra de Deus foram criados”, (Hb. 11.3). Assim, podemos dizer que na FÉ há ENTENDIMENTO, ela, a fé, não é irracional, assim como não é irracional (sem razão de ser), o culto que nos prestamos a Deus, (Rm 12.1). 

Paulo censurou os fariseus religiosos dizendo que eles tinham zelo de Deus, mas não com entendimento (Rm 10.2). Assim, podemos compreender que não basta ser zeloso ou fervoroso nas questões de fé religiosa, é necessário que haja entendimento, pois, faltando entendimento ao zelo fervoroso, cai-se no fanatismo religioso, em que se é capaz de cometer loucuras em nome de Deus pensando prestar um serviço a Ele. 

Iniciamos esta reflexão citando Paulo segundo ele escreveu no capítulo 12 e verso 2 aos romanos, agora usaremos as palavra do mesmo apóstolo, Paulo, no verso seguinte, verso 3, da mesma carta aos romanos onde ele mostra o modo correto de pensar, que é com equilíbrio e conforme a fé que temos recebido do Senhor, confira:

“Porque pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada um” (Rm 12.3).

Concluímos, portanto, dizendo que o sistema dominante, seja no campo da religião, da ciência, da política ou empresarial, induz e seduz para, então, condicionar mentes e corações dentro de um controle que leva seus cativos a ver, a pensa e a sentir de conformidade com a ideologia propagada, passam sua "verdade" como única e exclusiva, em condição sine qua non (sem a/o qual não pode ser), para que se possa ser, ter e viver, e que sem isso, se necessário, possa até morrer. A história da humanidade está recheada de fatos que comprovam essa triste realidade.