sábado, 11 de junho de 2016

Refletindo sobre o namoro


Por Pr. Levi Costa

Namorar é literalmente "despertar amor em alguém". Namoro, no sentido sério, é uma fase de conhecimento social e amoroso entre um homem e uma mulher que pretendem se casar. Os jovens precisam saber que esta é uma etapa para o conhecimento recíproco da natureza, da consciência e da estabilidade dos sentimentos envolvidos. Para se conhecer a personalidade e o temperamento de alguém é necessário algum tempo junto a essa pessoa. “Andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?” (Am 3.3), “NÃO”.

Para que a experiência conjugal dê certo é necessário o conhecimento mútuo, o entendimento, a compreensão e afinidade de propósitos. Isto só será possível por uma observação anterior ao casamento, ou seja, o namoro. É evidente que se trata de namoro responsável, de compromisso, de duas pessoas que estão com o propósito de casar e estabelecer uma família. O namoro em si não se constitui pecado, desde que seja de acordo com a vontade de Deus e que tenha como objetivo o casamento. Esperar no Senhor é a atitude mais certa, pois Ele tem o melhor para nós. Deixe Deus orientar e consolidar seu namoro, Ele deve ser o centro e o objetivo do namoro. Quando o jovem espera em Deus e confia n'Ele, terá como resultado um casamento abençoado (Sl 71.5).

O NAMORO INADEQUADO 

Quando o namoro é precoce: O tempo apropriado para o inicio do namoro não consiste tanto na idade, mas na maturidade. O melhor tempo para o namoro, noivado ou casamento é quando há maturidade para assumir compromisso com responsabilidade. O namoro precoce está condicionado a ciúmes desmedidos e é um estimulante para a prática do auto-erotismo. Na pré-adolescência tem inicio o período da puberdade quando ocorrem mudanças no corpo e na personalidade. Na adolescência o namoro ainda prejudica os estudos, a formação pessoal e profissional. O adolescente deve esperar e se preparar para o namoro no tempo devido, pois “Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu”, (Ec 3.1).

O namoro por passa tempo: Muitos jovens não entendem o significado e a finalidade real do namoro. Para alguns é apenas passa tempo, ter prazer ou brincar. Para outros é apenas conseguir afirmação perante os outros (Pv 26.18,19). Hoje em dia muitos já não namoram, apenas ficam. Mas este “ficar” trata-se de um relacionamento superficial, perigoso, sem compromisso e sem responsabilidade. Quem apenas “fica” visa somente à satisfação dos impulsos carnais, ficando assim com uma ou mais pessoas para a realização das suas aventuras amorosas. Um namoro sem propósito é um relacionamento fadado ao fracasso, frustrações e sem a aprovação de Deus.

O namoro prolongado: O namoro é apenas uma fase de sondagem para um propósito maior, o casamento. O jovem não é obrigado a se casar com a primeira namorada, mas é necessário que ele tenha este ideal em sua mente. Quando não houver a intenção do casamento em um namoro melhor seria encerrá-lo, não devemos brincar com os sentimentos alheios, (Mt 7.12). O maior problema no namoro prolongado é o aumento da familiaridade, os limites cedem ficando cada vez maior a liberdade.

O namoro com descrente: Quem namora um descrente namora também com os seus pecados, vícios, problemas morais e com seu mundanismo. O namora de um crente com um descrente é uma preparação para o “jugo desigual”, (2Co 6.14-16). O jugo é um instrumento de trabalho, tipo canga, que se une os bois para puxar o arado ou o carro. O "jugo desigual" acontece quando se coloca no mesmo jugo animais de espécies diferentes, o que é proibido na lei de Deus (Dt 22.10; Lv 19.19). O jugo, figuradamente, apresenta lições práticas e preventivas para a vida do crente.

JUGO DESIGUAL NO TOCANTE AO NAMORO

O jugo desigual na fé e na religião: O namoro caminha para o casamento, mas o casamento do cristão deve ser no Senhor em obediência à Sua Palavra, (1Co 7.39). O jugo desigual no caráter. A conduta está sempre alimentando o caráter e vice-versa. O caráter cristão não se coaduna com o caráter de quem não teme a Deus, (Mt 5.13,14; Fp 2.15; 4.8).

O jugo desigual na idade: Se a diferença de idade é gritante, em pouco tempo isso pode se transformar num jugo desigual. A idade, no seu devido tempo, afeta na pessoa as suas emoções, a visão da vida, o comportamento social, a vitalidade, a mentalidade, etc.

O jugo desigual socioeconômico: Se a questão econômica for desigual, pode tornar-se um jugo, como também a diferença na escolaridade, posição social, gosto pessoal, círculo de amizade, entre outros. O jugo desigual ainda pode trazer conseqüências na criação dos filhos, principalmente em matéria de fé e vida espiritual. Namoro é coisa séria, mais sério do que muitos imaginam.