sexta-feira, 1 de julho de 2016

O trabalho é a forma mais justa e honesta para se produzir e ganhar



Por: Pr. Levi Costa

O trabalho é a forma mais justa e honesta para se produzir e ganhar. Isto deve acontecer sem prejudicar o próximo e sem prejuízo da saúde, da honra e do bom nome. É ganhar licitamente (Pv 22.1). Os recursos que entram no lar deve ser resultado do trabalho honesto onde o nome de Deus é honrado e glorificado (1 Co 10.31,32). 

Uma das primeiras instruções na Bíblia foi justamente sobre o trabalho. O trabalho é uma bênção de Deus e não um castigo, posto que precedeu à queda (Gn 2.15; 3.19). Um dos principais aspectos da dignidade humana é a sua capacidade para o trabalho. É desejo de Deus que o homem trabalhe e produza (Êx 20.9). O homem que teme ao Senhor será abençoado com o trabalho de suas próprias mãos, ou seja, ele trabalha, produz e ganha (Sl 128.1,2; Ef 4.28). 

O apóstolo Paulo exigia dos irmãos da igreja de Tessalônica no sentido de que cuidassem cada um da sua própria vida, trabalhando com as suas próprias mãos. Advertia aqueles que não queriam trabalhar dizendo: “... se alguém não quiser trabalhar, não coma também.” (1 Ts 4.11; 2 Ts 3.10b);

Em Provérbios encontramos alguns princípios acerca do trabalho:

  • As pessoas são motivadas a trabalhar por causa da fome – Pv 16.26;
  • Ninguém constrói a sua vida sem que se firme em uma profissão – Pv 12.11;
  • A riqueza honesta e o verdadeiro progresso podem acontecer como resultado direto do trabalho – Pv 10.4; 12.24.
Salomão apresenta uma série de exortações contra a preguiça:

  • A preguiça é um pecado – Pv 15.19,
  • O preguiçoso é instado a imitar as formigas – Pv 6.6-8,
  • A formiga trabalha diligentemente na primavera e no verão coletando alimentos que serão consumidos no inverno rigoroso (Pv 30.25);
  • O preguiçoso divide o dia em três turnos – Pv 6.9-11 (RA)
1º Turno: Um pouco para dormir, 6 horas;
2º Turno: Um pouco para cochilar, 6 horas;
3º Turno: Um pouco para cruzar os braços em descanso, 12 horas.

Se o trabalho é um bem, uma bênção de Deus, aquele que deixa de fazê-lo está cometendo um pecado (Tg 4.17).

Consequências resultantes da preguiça:

  • O ocioso vem a padecer fome – Pv 19.15;
  • O acomodado pela preguiça viverá em pobreza – Pv 20.13;
  • O preguiçoso vive arrumando desculpas para não trabalhar – Pv 22.13;
  • Embora o preguiçoso deseje muito ele não consegue nada, enquanto que o diligente tem fartura – Pv 13.4.
“A preguiça avança tão devagar que a pobreza não demora a alcançá-la” (Bejamim Franklin)